Barbiere se recusa a dar nomes e agora ameaça governo

Pivô das acusações de venda de emendas na Assembleia, Roque Barbiere (PTB) não revelou ao Conselho de Ética nomes de deputados que estariam exercendo a prática, mas confrontou o governo estadual no documento que enviou ao órgão e que foi lido ontem. Um dia antes, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) cobrara Barbiere publicamente e apelara a seu "dever público".

FERNANDO GALLO, O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2011 | 03h04

"Por que será que o governo se manifesta com tanta veemência se eu não os acusei, ainda, de fazer nada errado", indagou o deputado petebista no documento. Barbiere também afirmou duvidar que o secretário de Planejamento, Emanuel Fernandes, e a subsecretária de assuntos parlamentares da Casa Civil, Rosemary Correa, neguem, na presença dele, que os tenha alertado sobre o suposto esquema.

O deputado cobrou o governo da falta de resposta ao requerimento que protocolou na Casa Civil em 22 de dezembro de 2010, no qual fazia questionamentos sobre as emendas. "No mínimo o governo deveria pensar: 'por que será que um deputado que nos apoia com tanta lealdade e por tanto tempo está perguntando isso?' Por que o governo não me ligou e perguntou? Pode até ser que esqueceram. O que não pode é tentar me fazer passar por mentiroso e dizer que não os alertei."

Ele ainda disse achar "estranho" que o então chefe da Casa Civil, Luiz Antonio Guimarães Marrey, tenha afirmado "lembrar-se vagamente" do documento. "Ele lembrou-se da data exata, mas do assunto não. Estranho, não acham?", perguntou.

Camelódromo. Barbiere reclamou da forma como foi interpretado no episódio em que comparou deputados a camelôs, mas confirmou ter feito a analogia. "O repórter perguntou-me como as emendas eram vendidas. Respondi-lhe: 'Não sei, pois nunca as vendi'. Ele insistiu e eu disse para que ele imaginasse que, aquele que a for vender, não coloca anúncio em lugar nenhum, e que quem vendia emenda talvez fizesse como camelô, sei lá, maquiasse o produto e outras bobagens do tipo (sic)".

O líder do PTB, Campos Machado, afirmou que Barbiere lhe pediu que transmitisse à Casa a informação de que renunciaria ao mandato na terça-feira "se alguma televisão ou jornal provar que ele falou que esta Assembleia é um camelódromo".

Ao final da reunião, o deputado Cauê Macris (PSDB), que faz parte da base governista, afirmou que considerava insuficientes as explicações de Barbiere e que o deputado deveria comparecer pessoalmente para sanar as dúvidas dos deputados.

O líder do PT, Ênio Tatto, rebateu as declarações dadas por Alckmin anteontem. Segundo ele, em vez de cobrar explicações de Barbiere, Alckmin deveria fazê-lo em relação ao seu secretário de Meio Ambiente, Bruno Covas, que relatou ao Estado o caso de um prefeito que lhe ofereceu R$ 5 mil por uma emenda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.