www.facebook.com/prefeituradebarcarena.pa
www.facebook.com/prefeituradebarcarena.pa

Barcarena recebe galões de água potável após vazamento de rejeitos contendo bauxita

Parceria entre governo municipal e estadual organizou plantões médicos e assistenciais para monitorar sintomas de possíveis contaminações

Sara Abdo, O Estado de S.Paulo

25 Fevereiro 2018 | 05h11

Os moradores da cidade de Barcarena, no Pará, onde ocorreu um vazamento da barragem de processamento de bauxita da empresa mineradora Hydro Alunorte, começaram a receber galões de água potável e agora têm a plantões médicos para monitorar sintomas de possíveis contaminações. Nesta semana, após uma checagem in loco dos danos ambientais, o Instituto Evandro Chagas  (IEC) confirmou o vazamento de água contendo bauxita

Em parceria com o governo do Estado, a prefeitura de Barcarena, na região metropolitana de Belém, disponibilizou 16 assistentes sociais e 30 agentes que atuam nas áreas de saúde, epidemiologia e vigilância sanitária e ambiental. Eles estão fazendo o levantamento de dados sobre riscos sociais e de saúde e encaminhando os casos mais sérios para programas sociais, explica em nota a prefeitura da cidade atingida. 

+++ Mato Grosso e Pará querem chineses na Ferrovia do Vale do Araguaia

Este sábado, 24, é o segundo dia em que ocorreu a distribuição dos galões de água, que por determinação do Estado do Pará estão sendo providenciados pela mineradora. De acordo com o setor de Responsabilidade Social da Hydro, as comunidades serão abastecidas com esses galões até a condição da água se regularizar. 

Como aconteceu na tragédio no Rio Doce em Mariana, em novembro de 2015, lideranças comunitárias estão acompanhando as equipes que dar apoio às famílias mais prejudicads. A principal força-tarefa ocorre nas comunidades Bom Futuro, Burajuba e Vila Nova, onde estão as famílias mais atingidas pela contaminação da água. 

Segundo a prefeitura de Barcarena, uma ação conjunta do governo municipal com o estadual, a empresa mineradora e o Ministério da Integração Nacional “avançou nas medidas de proteção às vítimas”.

/ Com informações da Agência Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.