Barco de pesca naufraga; um morto e quatro desaparecidos

Uma pessoa morreu e quatro estão desaparecidas, após o naufrágio do barco de pesca Marcelo Bremen, no estuário de Santos. Por volta das 23 horas de sexta-feira, o barco atravessava o canal, partindo do Guarujá em direção a Santos, quando adernou e naufragou, a 150 metros do píer próximo do distrito de Vicente de Carvalho, no Guarujá, onde descarregara 5 toneladas de pescado. Dez pescadores foram resgatados, enquanto o barco, de 30 metros de comprimento, estava adernado.Logo em seguida, equipes do Corpo de Bombeiros, Capitania dos Portos e da empresa de pesca à qual o barco pertencia, a Sudeste, com o auxílio da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), procuraram eventuais sobreviventes. A cábrea Pará foi contratada para içar o barco do fundo do canal. O tráfego de navios em direção ao Porto de Santos ficou interrompido. O acidente provocou derramamento de óleo e, por isso, foram colocadas barreiras de contenção para impedir a poluição do estuário. Só na manhã deste sábado o barco foi içado. As equipes de resgate encontraram o corpo de um homem, não identificado até meio-dia.De acordo com o pescador Teófilo Alves de Araújo, um dos sobreviventes do naufrágio, o barco havia chegado de uma viagem de 17 dias, da divisa de São Paulo com o Paraná, de onde trazia 34 toneladas de pescado. A tripulação fixa era composta por 10 pessoas, mas havia 15 homens a bordo. Segundo Teófilo, que acompanhava as buscas, o barco havia atracado em um posto de combustíveis perto de Vicente de Carvalho, onde descarregou pescado e carregou grande quantidade de água e óleo. ?Levamos um susto quando adernou, mas depois recuperou sua posição, quando seguimos a viagem?, disse, destacando que, 150 metros à frente, voltou a adernar, afundando de vez. Os desaparecidos, de acordo com Teófilo, foram Adelmo (piloto), Mário (mecânico), José Maria (que cuidava do gelo), Pedro (pescador) e um não identificado. O Marcelo Bremen é de propriedade do armador Victor Capote Valente e estava no seguro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.