Barco não tinha registro de passageiros, dizem bombeiros

Comando Geral enviou, no final da manhã, nova equipe para auxiliar nas buscas em decorrência do naufrágio

Ana Luísa Westphalen, Agência Estado

21 de fevereiro de 2008 | 11h50

mando Geral do Corpo de Bombeiros do Amazonas afirmou, nesta quinta-feira, que o barco Comandante Monteiro, que naufragou durante a madrugada no Rio Amazonas, não seguia a determinação de ter a lista da tripulação e dados com informações sobre todos os passageiros. Por isso, as informações sobre a quantidade de desaparecidos está sendo apurada junto aos sobreviventes resgatados.   Bombeiros resgatam 9 corpos do naufrágio no AM   O Comando Geral enviou, no final da manhã, uma segunda equipe para auxiliar nas buscas em decorrência do naufrágio. A informação dos bombeiros é de que até as 11h30 ainda havia pelo menos 20 desaparecidos. Já foram encontrados 92 sobreviventes, além dos corpos de duas crianças e duas mulheres. No momento, a equipe conta com dez profissionais no local.   A Polícia Militar regional e a Marinha colocaram à disposição do Corpo de Bombeiros embarcações e o governo do Estado do Amazonas solicitou duas viaturas de resgate e um helicóptero do exército para auxiliar nas buscas. O barco Comandante Monteiro seguia de Alenquer (PA) para Manaus (AM) e afundou  por volta da 1h30, no rio Amazonas. De acordo com os Bombeiros, a embarcação colidiu com uma balsa, entre Paraná da Eva e Novo Remando, na região de Itacoatiara, no Amazonas.

Tudo o que sabemos sobre:
naufrágioRio Amazonas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.