Bares devolvem animação ao centro de SP

Sexta-feira, 20 horas, Largo do Café, centro velho de São Paulo. Lojas fechadas, escritórios também. Sensação de vazio, medo? Nada disso. A iluminação é bonita, uma lua cheia colabora com o cenário acima dos prédios, alguns históricos. E sobra animação nas pelo menos 150 mesas que se espalham no calçadão, do largo até a Rua Álvares Penteado. Mais umas cem delas na Rua 3 de Dezembro. Centenas de pessoas se entregam aos mesmos prazeres de uma boa sexta-feira nos barzinhos da Vila Madalena: cerveja, petiscos e muita conversa. Só que a balada termina mais cedo na maioria dos lugares: 23 horas, pouco antes da meia-noite no máximo, tempo de pegar o último trem do metrô na Estação São Bento. É uma happy hour esticada, cumprida religiosamente, principalmente por bancários, gente da bolsa, funcionários de cooperativas de crédito, de lojas e escritórios, advogados. Uma rotina que nem se imagina existir nesse canto da cidade e está presente nessas ilhas e outras poucas espalhadas na região. Leia nos links abaixo mais informações sobre a movimentação noturna no centro de São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.