Barra Funda está na briga por apoio

Moradores catalogaram 33 problemas graves no bairro

Adriana Carranca, SÃO PAULO, O Estadao de S.Paulo

06 de abril de 2009 | 00h00

Em São Paulo, uma das comunidades inscritas para ser parceira do Unicef na mobilização pelos direitos da criança tem o pior índice de qualidade do ensino básico e poucas vagas na pré-escola, segundo o Observatório Cidadão, do Movimento Nossa São Paulo. Tem ainda 33 problemas de infraestrutura urbana, apontados pelo grupo Nossa Barra Funda, que desde 2007 luta pela revitalização do bairro.O grupo reúne mais de 60 parceiros, entre moradores, líderes locais, comerciantes, empresários, ONGs e escolas de samba da região. Juntos, eles discutem problemas e soluções para a Barra Funda e pressionam o poder público e a polícia. "Um dos problemas é a segurança. Moramos na área da Subprefeitura da Sé, mas o Conselho de Segurança (Conseg) é o de Perdizes, do qual participa a Subprefeitura da Lapa. Então, passamos a ir às reuniões do Conseg do Bom Retiro, do qual a Subprefeitura da Sé deveria participar, mas se recusa. É o fim. A gente pula de Conseg em Conseg e não consegue falar com ninguém", ironiza Marcelo Bregman, morador do bairro que costuma fotografar o que vê de errado. "Levantei 33 problemas gravíssimos de infraestrutura, como calçadas quebradas, árvores ameaçadas e ruas sem asfalto. Elaboramos então um programa de ações e mandamos para a Prefeitura em agosto. Sabe o que eu ouvi? Que só há dinheiro para enxugar gelo", esbraveja. Entre as reivindicações estão uma base da PM e um ecoponto, local para deixar o lixo para reciclagem.Unidos, eles já conseguiram apoio da Prefeitura para mutirões em duas praças. "Eram cheias de ratos", diz Edvaldo Godoy, presidente da Associação de Moradores da Barra Funda. E a primeira unidade de Assistência Médica Ambulatorial (AMA) e o Centro de Saúde, abertos no ano passado. Em parceria com o Cidade Escola Aprendiz, fizeram oficinas de grafite e mosaico. "O mote do projeto é a articulação entre pessoas e iniciativas existentes", diz Andréa Gracia Fragala, da TGestiona, empresa na Barra Funda que articulou o grupo. ZELADORESO Nossa Barra Funda quer capacitar e contratar moradores de rua para fazer a zeladoria do bairro. Fiscalizariam, por exemplo, o trabalho infantil nos faróis. Se o grupo for selecionado pelo Unicef, o prefeito Gilberto Kassab (DEM) terá de cumprir essa e outras reivindicações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.