Barrados em Madri caem de 20 para 5 por dia

O número de brasileiros barrados no Aeroporto de Barajas, em Madri, caiu de cerca de 20 por dia, em fevereiro deste ano, para 5 por dia nos últimos meses. Diversos procedimentos foram adotados para conseguir essa diminuição. Em abril, por exemplo, foi criada uma linha telefônica direta (hotline) entre o consulado brasileiro e a polícia de imigração, para agilizar o atendimento. "O representante do consulado conversa com o brasileiro para conhecer o problema e aciona a família no Brasil para informar a situação ou para providenciar algum documento que esteja faltando", explica Gelson Fonseca, cônsul-geral do Brasil em Madri. "Mas não podemos garantir a entrada na Espanha", diz. Apesar da diminuição no tempo gasto, o atendimento pode demorar entre 24 e 48 horas. O brasileiro aguarda pelo desfecho em duas salas - uma delas foi inaugurada recentemente -, com banheiros, chuveiros e camas. Também já está em vigor um acordo de cooperação policial entre os dois países para questões migratórias. Na quinta-feira, a polícia federal espanhola deteve 121 pessoas acusadas de pedofilia na internet, com a ajuda de dados da Polícia Federal brasileira. O projeto de instalação de caixas eletrônicos nas áreas de controle imigratório, no entanto, não foi adiante. "Por enquanto, nenhum banco se interessou e não há previsão de quando serão instalados", diz Fonseca. Com o caixa eletrônico, estrangeiros que não tivessem dinheiro em espécie poderiam fazer saques e provar a condição financeira. Além de procurar o consulado brasileiro, o viajante poderá contar em breve com auxílio jurídico gratuito. Ontem, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o Conselho-Geral da Advocacia Espanhola firmaram um convênio que vai permitir o atendimento inicial a brasileiros e espanhóis retidos nos aeroportos dos dois países. "O convênio é mais um instrumento para defesa do brasileiro e vai redobrar os cuidados das autoridades espanholas", avalia o embaixador Eduardo Gradilone, chefe do Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior do Ministério das Relações Exteriores (MRE). Segundo ele, não há um número exato de brasileiros ilegais na Espanha. "Mesmo quem está de férias ou irregular pode se cadastrar e ter direito aos serviços sociais. Hoje, há cerca de 100 mil brasileiros cadastrados. Estima-se que outros 30 mil a 50 mil não se registraram por medo de serem deportados", diz Gradilone. Além da Espanha, Reino Unido, Portugal e Irlanda são os países que mais têm impedido a entrada de brasileiros. Isso porque não exigem visto de entrada, a exemplo dos Estados Unidos e do Canadá. RECOMENDAÇÕES Para reduzir o risco de ser barrado na Espanha, o MRE recomenda que o turista tenha a passagem aérea de volta, a confirmação da reserva no hotel (voucher) e cartão de crédito internacional. É necessário também um seguro saúde, no valor de 30 mil, com cobertura para repatriação, além de uma quantia mínima de 60 por dia e um mínimo de 550, para qualquer tempo de permanência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.