Barragem se rompe e cidade de Rondônia teme tsnunami

Temor é de que onda de água do Rio Melgaço inunde a cidade de Pimenta Bueno

William Glauber,

09 de janeiro de 2008 | 23h28

O rompimento da barragem da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Belém no município de Vilhena, a 520 quilômetros de Porto Velho (RO), ameaça inundar metade de Pimenta Bueno, cidade vizinha. A previsão era de que a onda de água do Rio Melgaço atingisse a cidade de 32,8 mil habitantes nesta madrugada, informou a jornalista Ivonete Gomes, da Rede All TV. Até chegar à localidade, a água percorrerá cerca de 150 quilômetros.  A barragem de 46 metros de altura, que formava um lago de 280 hectares de extensão, rompeu-se por volta das 14 horas. A Defesa Civil de Rondônia, após um sobrevôo pela área inundada, constatou que a água formou uma onda de aproximadamente 10 metros de altura que seguiu cortando vastas áreas da Floresta Amazônica. A população ribeirinha já foi removida dos pontos de risco e, por enquanto, o governo aponta apenas para danos ambientais.  Às 22h30, a esperança do governador Ivo Cassol (sem partido) era de que a água ficasse represada em uma segunda barragem que também está em construção no município de Vilhena, a 100 quilômetros de distância do local do primeiro acidente. A segunda barragem tem 8 metros de altura. "Esse dique tem condições de segurar a avalanche, praticamente um tsunami, que segue em direção à cidade vizinha, mas nossas equipes estão preparadas para atender às necessidades dos moradores de Pimenta Bueno caso haja alagamento da cidade", afirmou Ivo Cassol. Operação O governador disse também que equipes da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros de Porto Velho, Ji-Paraná, Vilhena e outras cidades da região foram deslocadas para prestar atendimento à população de Pimenta Bueno. Cassol informou que o primeiro passo será retirar os moradores das áreas baixas da cidade que é cortada pelo Rio Melgaço e encaminhá-los para escolas municipais e estaduais e ginásios de esportes como primeiro abrigo. Sem adiantar hipóteses sobre as causas do acidente, o governador disse que a partir de hoje os órgãos estaduais realizarão perícias no local. A polícia também vai investigar o caso.

Tudo o que sabemos sobre:
barragemrompimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.