Barragem teve vazamento de 1 milhão de m³ de rejeitos

Dados de comissão são mais graves do que o admitido pela Samarco, diz procurador; empresa afirma não haver risco

LEONARDO AUGUSTO, ESPECIAL PARA O ESTADO

28 Janeiro 2016 | 21h41

SÃO PAULO - O procurador da República em Minas Gerais, Edmundo Antônio Dias Netto Júnior, afirmou nesta quinta-feira, 28, que o novo deslizamento de lama da barragem da Samarco em Mariana é mais grave do que a empresa admite e prova que a mineradora não tem condições de garantir a segurança ambiental e da população.

Conforme dados da Comissão das Barragens, da Assembleia Legislativa de Minas, 1 milhão de metros cúbicos de rejeitos de minério de ferro vazaram de Fundão na quarta-feira. A estrutura se rompeu em 5 de novembro, deixando 17 mortos e dois desaparecidos.

Segundo o responsável pela área de licenciamento da Samarco, Marcio Perdigão, e o engenheiro da empresa, José Bernardo Vasconcelos, as estruturas da empresa não oferecem risco e seguem sendo monitoradas. A Samarco afirma ainda que o material que deslizou era “remanescente” de Fundão e não ultrapassou a barragem de Santarém. Para o procurador, o plano de emergência da Samarco precisa ser reavaliado.

O plano atual foi enviado pela empresa à justiça de Minas Gerais nesta quinta-feira, 28. O documento foi solicitado dentro de ação movida contra a Samarco pelo Ministério Público Estadual (MPE). O material deveria ter sido entregue há cerca de 15 dias. À época, no entanto, a empresa entregou plano considerado “insuficiente” pelos promotores. A multa por dia de atraso é de R$ 1 milhão. 

Fevereiro. Segundo o promotor de Meio Ambiente do MPE, Daniel Ornelas, que também participou da reunião da Comissão de Barragens da Assembleia, o encerramento das investigações sobre o rompimento da barragem da Samarco deve acontecer até o final de fevereiro. O promotor afirmou que ainda não teve contato com o novo plano de emergência, conhecido como “dam break”.

O material prevê basicamente os impactos que podem ocorrer no meio ambiente e em áreas urbanas que possam ser atingidas em caso de novos rompimentos de estruturas.

Manifestação. Atingidos pela lama da Samarco na tragédia de 5 de novembro protestaram nesta quinta durante a reunião da Comissão de Barragens da Assembleia. Ex-moradores de Bento Rodrigues, localidade mais atingida pela enxurrada de lama, acreditam que a discussão do plano de emergência que a União e o Estado de Minas Gerais fazem com a Samarco e suas controladoras, Vale e BHP Biliton, pode prejudicar acordos locais que estão sendo fechados pelo Ministério Público em Mariana.

O plano de emergência está sendo discutindo dentro da ação de R$ 20 bilhões movida pelos governos federal, de Minas e Espírito Santo contra as três empresas. O advogado-geral de Minas Gerais, Onofre Alves Batista Júnior, disse que nenhum acerto feito anteriormente será prejudicado. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.