Barreiras provisórias tentam conter gigogas no Rio

A Superintendência Estadual de Rios e Lagoas (Serla) começou a instalar, nesta quinta-feira, barreiras provisórias para tentar conter as gigogas que se proliferam na Lagoa de Jacarepaguá e alcançam as praias da zona sul e zona oeste. A Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb) mudou a posição das barreiras em novembro passado por entender que as plantas, que se reproduzem rapidamente com o aumento do despejo de esgoto in natura nas lagoas, causam menor impacto ambiental se lançadas ao mar.A Comlurb também proibiu o despejo das gigogas retiradas na base náutica da companhia. O presidente da Serla, Ícaro Moreno Júnior, reuniu-se no fim desta tarde com o Procurador Geral do Estado, Francesco Conte, para decidir se entrará com processo na Justiça contra a Comlurb.De acordo com a companhia de limpeza, a quantidade de gigogas nas lagoas dobrou entre 2004 e 2005. Nos dois episódios mais recentes de proliferação da planta - na semana do Natal e na semana após o Réveillon - a empresa recolheu 500 toneladas de gigogas das praias cariocas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.