Base de Alckmin na Assembleia racha pela 1ª vez

Aliado de governador, Campos Machado insiste em votar projeto sobre corregedoria de polícia e expõe insatisfações de deputados com o Executivo

Fernando Gallo, O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2011 | 00h00

Aliado histórico do governador Geraldo Alckmin (PSDB), o deputado Campos Machado (PTB) pôs em votação um projeto de sua autoria contra a vontade do Executivo e provocou um racha na maioria que apoia o tucano na Assembleia Legislativa. O texto não chegou a ser aprovado - a sessão caiu por falta de quórum -, mas expôs as fissuras na base.

Campos Machado é autor de um projeto que tira a Corregedoria da Polícia Civil do âmbito da Secretaria de Segurança Pública, devolvendo-a para a própria corporação. A mudança havia sido feita por decreto de Alckmin, para tentar tornar as investigações internas mais isentas.

Candidato a vice-prefeito na chapa do tucano em 2008 e um dos poucos aliados que ficaram com Alckmin na época, o deputado reuniu-se com o governador para pedir apoio ao projeto. De Alckmin, ouviu não.

Para o tucano, não é hora de fazer mudanças na segurança, uma área sensível que, a despeito de casos de repercussão, vive momento de relativa calmaria, principalmente pela queda nos índices de homicídios. Alckmin considera exitosas as medidas que vem sendo levadas a cabo pelo secretário Antonio Ferreira Pinto, que foi quem chamou para sua pasta a Corregedoria. Nos bastidores, o secretário ameaçou pedir demissão caso o projeto de Campos fosse aprovado.

Divisão. A insistência do deputado em votar o texto rachou a base do governo. PSDB, PV e PSB resolveram obstruir a sessão. O clima esquentou, com falas duras dos tucanos contra o projeto. De outro lado, partidos aliados, como PMDB, PTB e metade da bancada do DEM, votaram pela aprovação da proposta.

O PT, que inicialmente se manifestava contra o projeto, viu a possibilidade de impor uma derrota ao governo, que tem ampla maioria no Legislativo e costuma aprovar na Casa somente os temas de seu interesse. Metade da bancada petista votou com Campos Machado. Um pedido de verificação de presença, no entanto, derrubou a sessão por falta de quórum. Ao final, 24 deputados votaram a favor e seis se abstiveram. Eram necessários 48 votos para aprovar a mudança.

O enfrentamento de Campos Machado com Alckmin escancara outra ferida na base, já que deputados tucanos continuam insatisfeitos com o governador por causa da falta de liberação de emendas. Além disso, ocorre em meio às tratativas de alianças nas eleições municipais de 2012. O PTB é assediado pelo vice-presidente Michel Temer (PMDB), que atua para que o partido caminhe com Gabriel Chalita.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.