Bastos anuncia que campanha do desarmamento será prorrogada

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, anunciou, nesta sexta-feira, em Dourados, no Mato Grosso do Sul, que a campanha de desarmamento será prorrogada por seis meses. Ele previu que, até 23 de dezembro, quando ela seria encerrada, deverá ser superada a meta de recolhimento de 200 mil armas. Bastos esteve na cidade liderando a Caravana do Desarmamento. O ministro da Justiça foi recebido pelo governador José Orcírio dos Santos (Zeca do PT) e liberou R$ 4 milhões para investimentos na área de segurança pública do Estado.Ainda em Dourados, Thomaz Bastos inaugurou a maior delegacia de fronteira da Polícia Federal no País, especializada em narcotráfico. O município faz fronteira com o Paraguai, maior produtor de maconha da América do Sul e também o país que mais recebe cocaína colombiana. Boa parte da droga consumida no Brasil entra no País pela fronteira com o Paraguai, em Mato Grosso do Sul. Thomaz Bastos também visitou a aldeia indígena Panambizinho, da etnia guarani-caiuá, com 1.240 hectares, que foi resgatada por uma portaria de 1995, do então ministro da Justiça Nelson Jobim, e demarcada no atual governo, após inúmeras negociações. O governo teve de recomprar a terra dos colonos e agricultores que a ocupavam para devolvê-la aos índios, seus proprietários originais, que viviam em permanente conflito na luta pela retomada de suas terras.Em entrevista que deu em Dourados, Bastos anunciou que o governo vai pedir a cassação de liminar dada nesta sexta por um juiz federal em Rondônia que considerou inconstitucional a medida provisória do governo que proíbe o garimpo na reserva dos índios cintas-largas e dá prazo de 15 dias para os índios venderem os diamantes que já estão em seu poder.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.