Bastos elogia trabalho do governo federal na segurança

O ministro da Justiça, Marcio Thomaz Bastos, elogiou nesta sexta-feira, 26, as ações que o governo federal vem adotando na área da segurança, especialmente as parcerias com os municípios na área do Sistema Único de Segurança Pública, no lançamento do Centro Integrado de videomonitoramento na cidade paulista de Diadema.Sem entrar em polêmica com as críticas que os opositores, sobretudo PSDB e PFL, vêm fazendo às ações do governo do presidente Lula neste setor, o ministro anunciou que a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), subordinada ao Ministério da Justiça, destinou ao projeto de Diadema mais de R$ 1 milhão.Segundo Thomaz Bastos, a experiência de combate ao crime em Diadema, que ele classificou de "um caso de absoluto êxito", demonstra que "não existe um tiro de canhão para combater a violência e a criminalidade". E citou as medidas adotadas pelo atual governo, tais como a repressão, a prevenção e com foco cada vez maior na inteligência, no planejamento estratégico e na gestão de segurança pública.Pela parceria com o governo federal, Diadema será monitorada todos os dias, 24 horas, por um sistema de tecnologia avançado. "Desde o começo, o governo federal deu todo o apoio (ao projeto) e o prefeito Filippi (José de Filippi, do PT) é um exemplo do trabalho de uma pessoa que tem a percepção clara de como chegar aos seus objetivos e procurou os meios para chegar a isso", elogiou.Além de destacar essa parceria, Bastos também teceu elogios ao trabalho que a Polícia Federal vem realizando no governo do presidente Lula. "A Polícia Federal cortou na carne nesses três anos e meio", disse, citando as demissões e as prisões de agentes e delegados. E continuou: "Ao mesmo tempo (a PF) fez um trabalho de repressão e de desmantelamento do crime organizado, desbaratando quadrilhas internacionais de traficantes, tráfico de armas, corruptores e corruptos."DestaqueO ministro da Justiça destacou o trabalho da polícia. Bastos disse que a corporação vem realizando todas essas operações de desmantelamento do crime organizado "sem disparar um tiro, sem matar nenhuma pessoa". E afirmou: "Polícia boa é um pouco como a Polícia Federal está se tornando. Eu acho que todas as polícias do Brasil devem caminhar nessa direção." Questionado sobre a possibilidade de inocentes terem sido executados no auge da crise da segurança em São Paulo, o ministro disse ter plena confiança nas forças de segurança estaduais.Ainda sobre as mortes ocorridas em São Paulo, Thomaz Bastos afirmou que um dos princípios fundamentais da administração pública é a transparência. Por isso, acredita que tudo que aconteceu deverá ser apurado e explicado minuciosamente. "Acredito no governador (Claudio Lembo) e no secretário de Segurança Pública (Saulo de Castro)", reiterou o ministro da Justiça. "Se tiver ocorrido algum abuso - não estou dizendo que houve, até mesmo porque não tenho informação - , isso será apurado pela corregedoria (da polícia)".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.