Bastos pode assumir defesa de Carla Cepollina em 2007

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, pode ser o defensor de Carla Cepollina, acusada de ter matado com um tiro no abdome, em setembro, o coronel Ubiratan Guimarães, com quem namorava. Bastos já anunciou que deixará o governo no dia 1º e retomará as atividades em seu escritório de advocacia. Na segunda-feira, 10, em São Paulo, ele disse que, como ainda é ministro, não falaria sobre o assunto. Mas acabou confirmando que foi convidado para assumir o caso, embora ainda não tenha se decidido.Carla não quis confirmar o convite. "Não sei de onde saíram essas coisas", disse. "Quem sou eu, baby?", perguntou, dando a entender que Bastos é muito renomado para o caso. Ela disse que tem até fevereiro para indicar um advogado e ainda não tem nenhum em vista. No entanto, o Estado apurou que foi a criminalista Liliana Prinzivalli, mãe de Carla, quem procurou o ministro. Liliana conhece Bastos há anos.O Ministério Público Estadual (MPE) denunciou Carla em novembro como autora do assassinato. Ela é acusada de homicídio doloso duplamente qualificado - motivo torpe e impossibilidade de defesa da vítima. Se condenada, pode pegar de 16 e 30 anos de prisão. Carla nega ter matado Ubiratan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.