Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Batalhão de Choque tenta conter protesto de aeroviários no Rio

Cerca de 300 pessoas da categoria faziam manifestação no acesso ao Aeroporto do Galeão

Priscila Trindade , Central de Notícias

08 de dezembro de 2010 | 10h16

SÃO PAULO - Aproximadamente 300 aeroviários fazem uma manifestação desde o início da manhã desta quarta-feira, 8, na Avenida 20 de Janeiro, que dá acesso ao Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), na Ilha do Governador, zona norte do Rio de Janeiro. Eles reivindicam melhores condições de trabalho e reajuste salarial. A Polícia Militar tentava conter o protesto.

 

Veja também:

lista Confira a situação dos aeroportos do País

 

De acordo com a presidente do Sindicato Nacional dos Aeroviários, Selma Balbino, os funcionários paralisaram as atividades entre 5 e 8 horas. Duas horas depois, os manifestantes faziam uma caminhada na Avenida 20 de Janeiro.

 

Selma ressaltou que equipes do Batalhão de Choque (BPCchoque) foram chamadas para controlar a manifestação. Eles usaram gás de pimenta para conter os aeroviários. A polícia não foi encontrada para comentar o assunto.

 

O protesto causava congestionamento ao longo da via por volta das 10h, segundo informou a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET-Rio). O órgão disse que, além de agentes da PM, a Guarda Municipal está na região.

 

A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) afirmou que o ato não prejudica o funcionamento do aeroporto. Boletim da companhia aponta que das 42 partidas previstas até as 10 horas, 2 (4,8%) sofreram atrasos e 2 (4,8%) foram canceladas.

 

Representantes da categoria participam de uma nova reunião as 14 horas com as companhias aéreas. Caso não haja acordo, os aeroviários ameaçam entrar em greve durante as festas de fim de ano.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.