Bateria da Águia de Ouro incendeia o Anhembi

A bateria da Águia de Ouro animou muito a Passarela do Samba Adoniram Barbosa, em São Paulo. Na hora do tradicional recuou, os componente entraram, saíram, fizeram uma coreografia, reverenciando de joelhos a arquibancada, e entraram definitivamente na área do recuo. Pouco antes da dispersão, a bateria pára e faz sua apresentação novamente. A arquibancada responde com aplausos. Depois de Unidos do Peruche, Tom Maior e Acadêmicos do Tucuruvi,a escola da Pompéia fez uma apresentação empolgante. A facilidade para decorar o samba-enredo "Não tem desculpa" botou fogo no público presente. A proximidade de bailarinas com a ala das baianas causou um efeito interessante. O movimento das duas alas mantinham uma harmonia durante a evolução pela avenida. A Águia de Ouro levou para a avenida 3.500 componentes e 23 alas. A escola foi criada em 1976, a partir de dos torcedores do time de várzea do bairro Faísca. Os enormes carros alegóricos da Águia de Ouro também chamaram a atenção de todos. Uma escultura gigante de Monteiro Lobato, com cerca de 15 metros de altura, é o principal chamativo de um dos carros. Outro retrata um imenso Bicho Papão. O boneco toma conta de quase toda a largura da avenida. Tristes só ficaram os destaques de um carro alegórico que representava pedofilia. Garotas com bonecas no colo não puderam dança e cantar, para mostrar a seriedade do assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.