Bauru cassa vereador e põe mais 3 na lista

Ao final de uma sessão que durou mais de 12 horas e onde foi lido um processo de quase 800 páginas, a Câmara de Bauru, 343 quilômetros a noroeste de São Paulo, cassou, nesta terça à noite, o mandato do vereador Osvaldo Paquito da Silva (PPS), acusado de improbidade administrativa por ter depositado em sua conta pessoal um cheque emitido pela própria Câmara em favor do pintor de paredes Paulo Velasco, que pintou os gabinetes dos vereadores no início de 2001.Mesmo tendo alegado que fez o depósito e em seguida sacou o dinheiro, entregando-o integralmente ao pintor, o vereador acabou cassado por 17 votos contra 3 e agora deverá recorrer à Justiça. Em seu lugar deve assumir a suplente Catarina Carvalho, que já exerceu a vereança no período 1997/2000.A Câmara bauruense vive um momento político agitado. Na próxima terça-feira, dia 6, deve decidir o pedido de cassação do vereador José Humberto Santana, sem partido, acusado de ter utilizado um veículo oficial da Câmara para ir ao casamento de um parente em Brasília (DF).Também são alvos de pedido de cassação o ex-presidente e o ex-vice-presidente da Casa no biênio 2001/2002, vereadores Walter do Nascimento Costa e Roberto Bueno Martins, acusados de negligência e má gestão naquele período, quando ficou apurado que a Câmara comprou produtos superfaturados e pagou por mercadorias que não recebeu.Além dos vereadores, o ex-diretor administrativo Luiz Renato Joel está afastado do cargo e responde a processo administrativo. O caso das compras também é apurado pelo Ministério Público Estadual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.