Bêbados até quebram mesas

Indagado sobre os gastos com o 3º Campeonato Municipal de Truco, o presidente da Associação Cidade Unida Pelo Esporte de Base e Ligas Amadoras (Cuebla), José Astolphi, de 79 anos, afirmou ontem ter de pagar as mesas que jogadores embriagados quebram. "Nesse fim de semana, tivemos três mesas quebradas no Nacional, e quem pagou fui eu."O presidente negou, porém, pagar as bebidas. "Os que bebem muito são eliminados rapidinho."Astolphi afirmou que a Cuebla organiza diversos eventos e defendeu o truco. "O evento é um sucesso de público, temos mais de 500 duplas. Eu faço eliminatórias em todas as regiões da cidade", afirmou. O presidente da Cuebla disse ainda que paga arbitragens e alugueis de espaços para eliminatórias. "Tem muito gasto. Alugamos campos de futebol todo fim de semana para o Campeonato de Futebol Amador", declarou Astolphi. A Cuebla também organiza o futebol amador e campeonatos de vôlei e boxe - a entidade recebeu R$ 1,4 milhão dos R$ 2,3 milhões repassados ontem para convênios. A Secretaria de Esportes informou desconhecer o pagamento de mesas quebradas. A pasta informou que o torneio de truco e o futebol amador são realizados de maio a dezembro e reúnem 18 mil pessoas.Para o cientista político Fernando Azevedo, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), é evidente o uso político desse tipo de emendas. "É uma piada liberar quase R$ 300 mil para um torneio de truco. Pelas liberações que observamos, não existe critério técnico algum, só o político", avaliou o cientista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.