Bebê de 5 meses morre em creche do Hospital das Clínicas

Depois da licença-maternidade e de passar o Dia das Mães com o único filho, Arthur, de 5 meses, Margarete Mazzei Mielli de Oliveira, de 29 anos, voltou a trabalhar nesta segunda-feira, no Hospital das Clínicas (HC) de São Paulo. Ela deixou o bebê às 7h na creche, perto do setor de ortopedia, onde trabalha como secretária.Oito horas depois recebeu a notícia: seu filho havia morrido por insuficiência respiratória. Margarete entrou em estado de choque e foi atendida no próprio hospital. Seu marido, Rodolfo, de 46 anos, técnico em radiologia há 22 anos no HC, foi internado.Segundo o laudo do Serviço de Verificação de Óbito, a morte foi causada por falta de oxigenação. A família do casal registrou um boletim de ocorrência no 14º Distrito Policial, em Pinheiros. "Ele era um bebê lindo, gordinho e supersaudável. Alguma coisa errada aconteceu", disse Célia Regina Marolo Crepin, tia de Arthur.De acordo com ela, um dos funcionários do pronto-socorro disse que o bebê estava com hematomas no rosto e ferimentos no nariz. Sandra Regina Leiva, também cunhada de Margarete, disse que nesta terça-feira, por volta das 11 horas, recebeu telefonema anônimo de uma mulher que dizia trabalhar na creche, relatando que o bebê fora alimentado várias vezes com pedaços de banana, mamadeira e sopa - o que pode ter provocado um engasgo.A mulher disse ainda que, ao ver a criança sem ar, a enfermeira que o carregava desmaiou e o derrubou, provocando a mancha roxa no rosto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.