Bebê largado em churrasqueira na Bahia sobrevive

A polícia do município de Santo Estevão, a 147 quilômetros da capital baiana, está procurando desde o final de semana Marlene Oliveira, principal suspeita de ter jogado numa churrasqueira do centro de abastecimento da cidade um bebê de dois dias de nascimento. A menina foi salva pelos comerciantes do local e levada para o hospital da cidade, onde médicos constataram queimaduras em 15% do corpo dela. Medicada à tempo, ela já está fora de risco.O caso deixou a população de São Estevão traumatizada pela crueldade. Foi a comerciante Célia Santos quem viu o bebê dentro da churrasqueira e pediu para o colega Davi Gomes retirá-lo do local. "Nunca me aconteceu uma coisa parecida", disse Gomes, abalado. Graças a ele, a garotinha foi levada para o hospital e salva. As costas e a cabeça foram as partes do corpo mais atingidas pelas queimaduras.A delegacia de Santo Estevão identificou Marlene Oliveira, como a provável pessoa que quis matar o bebê, pela pulseira da maternidade com o nome da mãe que ainda estava no pulso da garotinha. Policiais descobriram hoje que a criança não nasceu em nenhuma maternidade do município e agora estão investigando as cidades da região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.