Bebê morre enforcado após dormir no carrinho

Um bebê de pouco mais de dois meses morreu nesta segunda-feira, 17, asfixiado em um carrinho de passeio na casa em que morava com a mãe, no bairro Residencial Gênesis, periferia de Campinas. A mãe contou à polícia que colocou o menino para dormir no carrinho, preso ao cinto de segurança pela cintura. De acordo com a mãe, a criança escorregou durante a noite e morreu enforcada pelo cinto.A Polícia Civil informou que o laudo pericial irá determinar a causa e as circunstâncias da morte da criança, mas adiantou que o enforcamento pelo cinto é a hipótese mais provável. Um policial contou que a criança havia sido retirada do carrinho quando a perícia chegou ao local e não soube precisar se o equipamento estava inclinado. A mãe tinha dois filhos. Ela dormia em uma cama de solteiro com uma das crianças e colocou o bebê no carrinho, conforme relatou aos policiais. Quando acordou, às 6 horas desta segunda, estranhou o silêncio do menino. Tentou acordá-lo, viu que ele estava com o cinto no pescoço, imóvel e sem respirar. A mulher chamou os vizinhos, que acionaram a polícia. De acordo com a perícia, a morte ocorreu por volta das 4 horas.O caso foi registrado no 4º Distrito Policial de Campinas. A Polícia Civil informou que irá aguardar o laudo da perícia, ouvir o depoimento da mãe, dos vizinhos e apurar se houve negligência. Segundo a polícia, o menino ainda não tinha certidão de nascimento. Instruções para os paisO especialista em equipamentos de segurança Celso Arruda, professor da Faculdade de Engenharia Mecânica da Unicamp, explicou que todo carrinho de passeio para bebê precisa ter a chamada tira entre as pernas, que justamente tem como objetivo evitar que a criança escorregue e seja enforcada pelo cinto. O cinto precisa ser encaixado na tira entre as pernas para garantir a segurança do bebê, insistiu. "Esse acidente não é comum. É a primeira vez que ouço uma morte ocorrida dessa maneira. Foi uma fatalidade porque a mãe não usou a tira entre as pernas", disse Arruda. Ele orientou os pais a usar o cinto de segurança sempre da maneira correta e verificar se o carrinho dispõe do equipamento completo, como exige o Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), antes de comprá-lo. Segundo ele, os pais devem adquirir apenas produtos com o selo de certificação do Inmetro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.