Bebê recém-nascido é abandonado em cemitério em Piracibaca

Um rapaz visitava o túmulo do pai no Cemitério Parque da Ressurreição, na manhã desta sexta, 3, em Piracicaba, no interior de São Paulo, e estranhou uma caixa de sapatos sobre uma lápide. Chegou a pensar que fosse algum ritual para os mortos antes de perceber que a caixa se movia. Ao chegar perto, descobriu dentro dela uma criança recém-nascida, vestida com um macacão rosa e com dois clipes prendendo o cordão umbilical. A menina havia sido abandonada no local, junto com outro macacão e uma chupeta. Até o final da tarde a polícia não tinha informações sobre o responsável pelo abandono. O rapaz avisou a direção do cemitério, que acionou o Corpo de Bombeiros. "Lidamos com a tristeza todo dia no cemitério, mas nunca me senti tão triste como ao ver a criança abandonada", contou a auxiliar administrativa do cemitério, Elaine Saciloto. A menina ficou no colo de funcionárias do cemitério até a chegada dos Bombeiros. "Ela é linda", afirmou Elaine. Foi provisoriamente chamada de Marina. "Hoje é dia de São Marino", explicou a auxiliar administrativa. Contou que ninguém viu quando a criança foi deixada no cemitério. "Estava tudo sossegado, não tinha velório e havia apenas alguns visitantes". Bebê passa bemOs bombeiros constataram que o bebê não tinha ferimentos e estava respirando normalmente, conforme o comandante dos postos do Corpo de Bombeiros de Piracicaba, tenente Silmar da Silva Sendin. "A caixa onde estava era menor que ela", contou. A menina foi levada para a Santa Casa da cidade, onde passou por exames e ficou internada, em observação. Segundo a assessoria de imprensa da Santa Casa, a criança passa bem e não tem nenhum ferimento. Os médicos estimaram que ela nasceu na noite de quinta, 2. A assistente social Sandra Rita da Cruz Moreira explicou que o bebê não tem previsão de alta e está sob os cuidados da Vara da Infância e da Juventude de Piracicaba, que irá decidir para onde será encaminhada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.