Bebê sequestrado no Paraná é encontrado em Embu das Artes

Mãe da criança viajava de carona no momento do crime; suspeita teria simulado gravidez para enganar o marido

Daniela do Canto, do estadao.com.br,

09 de dezembro de 2009 | 08h15

Um bebê de três meses sequestrado na terça-feira, 8, em Campina Grande do Sul, no Paraná, foi encontrado no mesmo dia em Embu das Artes, na Grande São Paulo. A criança estava na casa da filha de uma suspeita do crime, uma mulher identificada como Angelina Bezerra.

 

A mãe do bebê, Elisabete Cristina da Silva, de 32 anos, acusa Angelina de ter praticado o crime no Paraná com a ajuda do genro, Valdir Silva Chagas. Preso, Chagas disse à polícia que a sogra havia simulado uma gravidez para enganar o marido e que Elisabete teria topado entregar a filha para Angelina por R$ 2 mil. No entanto, teria mudado de ideia em seguida.

Por telefone, Elisabete contou ter conhecido Angelina há cerca de uma semana. A mãe da criança, paranaense, morava em São Paulo há cerca de três anos com o pai da menina. O casal teve uma briga, Elisabete saiu de casa com a filha e ficou sem ter onde morar. As duas chegaram a ficar em um abrigo antes da aproximação de Angelina, que, conforme o relato, se ofereceu para dar uma carona para mãe e filha até o Paraná, onde moram os parentes de Elisabete.

O ponto de partida da viagem foi o Largo 13 de Maio, em Santo Amaro, na zona sul de São Paulo. Durante a viagem, eles pararam em um posto de gasolina na Rodovia Régis Bittencourt, na altura do município de Campina Grande do Sul. Elisabete disse que Valdir e Angelina falaram que comprariam comida e pediram que ela visse preços de fraldas e leite em uma farmácia no local. Quando a mãe da criança estava dentro da farmácia, eles arrancaram com o carro, levando a menina.

Funcionários do posto ajudaram Elisabete e avisaram a Polícia Rodoviária Federal (PRF), que fez um cerco e deteve o veículo pouco depois na Régis Bittencourt, na altura do município de Cajati, já no Estado paulista, distante 163 quilômetros de Campina Grande do Sul. Valdir estava sozinho no carro e indicou vários endereços onde Angelina e o bebê poderiam ser encontrados. Ele disse ainda que a sogra se desesperou quando Elisabete desistiu de vender a filha e resolveu abandonar a mãe da criança no posto.

 

Em um dos locais indicados pelo detido, na Vila Anchieta, em Embu das Artes, policiais militares da 3ª Companhia do 36º Batalhão encontraram a menina, que estava em poder de uma filha de Angelina, identificada como Luana Bezerra, de 21 anos. Na casa ainda estavam uma filha e duas sobrinhas de Luana, que responderá por abandono de incapaz. Angelina ainda está foragida.

Mãe nega versão

Elisabete disse ter sido enganada e negou as afirmações de Chagas, de que ela topou vender a filha por R$ 2 mil. "Nunca pensei em vender a minha filha. A minha família tem condições", afirmou. O bebê está sob os cuidados do Conselho Tutelar de Embu das Artes até que o seu destino seja decidido.

Elisabete passou a noite na Delegacia de Campina Grande do Sul e disse que vai tentar localizar os seus parentes no Paraná - já que está sem o endereço deles - e pedir ajuda para voltar a São Paulo e tentar pegar a criança. "Quero tirar a minha filha do Conselho Tutelar e voltar para o Paraná", desabafou.

Tudo o que sabemos sobre:
crimesequestrobebêPRSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.