Bebê sobrevive a aborto e pais são presos

Um bebê prematuro abortado pelos pais sobreviveu depois de ficar mais de quatro horas jogado num matagal, na noite de segunda-feira, 24, na favela São Manoel, em Bauru, a 335 quilômetros de São Paulo. O menino, que pesa 2,5 quilos, teve hipotermia e paradas respiratórias, mas foi salvo pela ação de PMs que percorreram o matagal e o acharam dentro de uma sacola de roupas.O choro do bebê orientou os PMs. O estado da criança, internada na Maternidade Santa Isabel, é considerado regular. Os médicos esperam que nos próximos dias ele reaja aos antibióticos. Os pais da criança, a dona de casa Maria Amélia Campos, de 35 anos, e o vigilante André Luiz da Silva, de 29, pagaram R$ 300 a uma parteira, Delza Aparecida da Silva, para fazer o aborto com o uso de dois medicamentos. A gestante passou mal após a retirada do bebê e foi levada à Maternidade Santa Isabel, onde os médicos desconfiaram do aborto por causa do tamanho da placenta e avisaram à polícia. O pai foi localizado e ele revelou onde havia jogado a criança. O casal e a parteira foram presos em flagrante por tentativa de aborto, cuja pena varia de um a quatro anos reclusão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.