Beija-Flor encerra 1ª noite da Sapucaí com folia morna

Escola de Nilópolis faz homenagem aos 50 anos de Brasília ignorando escândalos de corrupção

Gabriel Pinheiro, estadao.com.br

15 de fevereiro de 2010 | 05h47

 

RIO - A Beija-Flor fechou a primeira noite de desfiles na Marquês de Sapucaí com uma folia morna. A agremiação fez uma homenagem aos 50 anos de Brasília e levou à avenida a história do povo que construiu a capital do País, ignorando os escândalos políticos. "A corrupção é brasileira, não brasiliense", justificou Alexandre Louzada, um dos integrantes da Comissão de Carnaval responsável pelo enredo.

 

Veja também:

mais imagens Galeria de fotos da Beija-Flor

blog Acompanhe o carnaval pelo País no blog

especial Cobertura completa da folia na página especial

 

A escola utilizou oito carros alegóricos, distribuídos em 44 alas. O samba ficou por conta da voz do histórico intérprete Neguinho da Beija-Flor. Sem empolgar, a agremiação terminou o desfile correndo, mas dentro do limite de tempo, de 82 minutos, e não teve incidentes.

 

Além do resgate histórico, a escola levou uma homenagem em azul e branco aos homens responsáveis pela construção da cidade. Entre eles estão o arquiteto Oscar Niemeyer, o presidente Juscelino Kubitschek e os trabalhadores de diferentes regiões do País que foram para o Planalto Central erguer a nova cidade.

 

 

A tradicional escola de Nilópolis, que tem o presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ilustre torcedor, recebeu R$ 3 milhões em patrocínio da gestão do governador licenciado do Distrito Federal, José Arruda.

 

linkSalgueiro vai dos monges copistas a Harry Potter

linkCelebrando México, Viradouro faz folia organizada

linkUnidos da Tijuca faz mágica e surpreende avenida

linkImperatriz Leopoldinense esbanja luxo para retratar a fé

linkUnião enfrenta problema com carro no início da noite

 

(Com Agência Estado)

Mais conteúdo sobre:
Carnaval 2010Beija-Flor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.