Beira-Mar é "Seashore Freddy" ou "Pablo Escobar" brasileiro

A fama de Luís Fernando da Costa, de 36 anos, já ganhou o mundo - é chamado de Pablo Escobar brasileiro ou Seashore Freddy, tradução em inglês para Fernandinho Beira-Mar. Temido e respeitado no crime, é tido como o maior atacadista de cocaína do País e um dos mais poderosos da América Latina.É acusado de fornecer armas para as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em troca de drogas. Em junho, ingressou na lista de traficantes internacionais que ameaçam a segurança, a política externa e a economia norte-americanas. Sua fortuna inclui 48 imóveis, 12 automóveis e 36 linhas telefônicas.Nada que lembre a pobreza na Favela Parque Beira-Mar, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.Da infância, conservou uma característica - a liderança. Dado aos estudos, atraía em torno de si crianças da favela para lhes contar histórias. Era o orgulho da mãe, dona Zefina, que ganhava a vida honestamente como faxineira em um motel.A escola do crime começou no serviço militar. Foi expulso do Exército por desvio de cargas e roubo de armas das Forças Armadas. Aos 22 anos comandava o tráfico em pontos no Rio. Na década de 90, estendeu seus domínios até Minas, para onde fugiu.Pego com 4 quilos de cocaína, em 1996, e condenado a 12 anos, fugiu 1 ano depois. Seguiu para o Paraguai e, de lá, para a Colômbia, onde passou a negociar com os cartéis. Em 2001, foi preso e extraditado.De Bangu 1, no Rio, comandou chacinas, compra de armas, ações terroristas e toques de recolher. Suas frases, gravadas pelo Ministério Público, chocaram a sociedade."Só tô preso, não estou morto, não", disse de sua cela, após comandar pelo celular a execução de comparsas. Liderou a chacina de quatro presos de uma facção rival e comemorou: "Tá dominado, tá tudo dominado."Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.