Beira-Mar está em uma jaula, diz o advogado

O traficante Luis Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, está sendo mantido em uma cela que se assemelha uma jaula, no Batalhão de Choque da Polícia Militar, segundo o advogado dele, Lydio da Hora Santos. A cela fica dentro de uma sala e tem grades até sobre a cabeça do preso. Segundo o advogado, a cela é parecida com a usada pelo psicopata Hannibal Lecter (interpretado pelo ator britânico Anthony Hopkins), no filme ?Silêncio dos Inocentes?.O assessor de imprensa da PM major Frederico, não quis confirmar nem negar se o cárcere do criminoso era uma espécie de jaula. Disse apenas que é destinado a um preso de alta periculosidade, com todo o rigor e as regras de segurança necessárias. ?Ele está sendo tratado com extremo rigor, mas decência. Não está em nenhuma condição aviltante.?O oficial se negou a responder se a cela tinha barras de ferro como teto. ?Tem as grades necessárias para garantir a segurança de um preso que já provou ser de alta periculosidade.? Beira-Mar é apontado como o líder da rebelião na penitenciária de segurança máxima Bangu 1, na semana passada, quando quatro presos da facção criminosa Amigos dos Amigos (ADA) foram executados.Além dele, foram transferidos para o Batalhão de Choque Márcio Nepomuceno, o Marcinho VP, Marco Antônio Pereira da Silva, o Mighty Thor, Márcio Macedo, o Gigante, e Marcos Marinho dos Santos, o Chapolim.Enquanto Beira-Mar está isolado, os outros quatro ficam em uma galeria cercada de grades, com quatro celas comuns, espécies de quartos individuais, com portas de ferro. Câmeras de vídeo monitoram os detentos o tempo todo.Desde o sábado, todos estão submetidos ao regime especial de segurança, criado para detentos perigosos e que tenham cometido atos de indisciplina. Os direitos são restritos. Os banhos de sol passam a acontecer apenas uma vez por semana e ficam suspensas as visitas normais e íntimas, por exemplo.O advogado de Beira-Mar voltou a negar que o traficante tenha participado do levante. Afirmou que ele só foi chamado para negociar com a polícia porque ?se expressa muito bem?.Santos comparou o preso ao ex-senador Jader Barbalho (PMDB-PA), suspeito de fraudes na extinta Sudam e disse que há muita gente ?10 mil vezes mais perigosa que ele solta? no Brasil. ?Qual a diferença entre ele e Jader Barbalho? É igual aos outros, não tem diferença. Aqui ninguém é honesto, ninguém pode jogar pedra em ninguém, só tem ladrão. O Brasil é o paraíso dos safados?, disse. As afirmações foram feitas após ele defender a libertação de Beira-Mar, o que ele classificou de ?justíssimo?. Ele atacou os políticos brasileiros. ?Tem muitos piores que ele e, no entanto, as pessoas votam neles, batem palma para eles.?Apesar de criticar o fato de o traficante estar sendo mantido em um batalhão da PM e de ter prometido no domingo entrar na Justiça para transferi-lo para uma penitenciária, Santos disse que já não sabe se fará isso. Ele afirmou que está estudando a melhor solução para o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.