Beira-Mar já recebeu duas condenações

Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, de 35 anos, foi preso em abril de 2001 na selva da Colômbia. Na época, ele negou todas as acusações de tráfico e de ligações com a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Disse que era criador de gado. Mas o traficante já foi condenado duas vezes pela Justiça e é acusado de vários crimes. Quando finalmente foi capturado na Colômbia, ele já estava foragido havia cinco anos. A prisão de Beira-Mar foi o motivo principal da criação, em 1998, de uma força-tarefa composta por autoridades federais e também dos Estados. A Polícia Federal trabalhou juntamente com as polícias estaduais para localizar aquele que é considerado o maior narcotraficante brasileiro e conseguiu prendê-lo pela segunda vez. A primeira vez que Beira-Mar foi capturado pela PF foi em junho de 1996, em Belo Horizonte. Ele estava com quatro quilos de cocaína. Um ano depois, conseguiu fugir da carceragem do Departamento Estadual de Operações Especiais da Polícia Civil de Minas Gerais. As circunstâncias da fuga nunca foram esclarecidas. CondenaçõesA primeira condenação de Beira-Mar é do início dos anos 90, a 12 anos por tráfico, em Cabo Frio (litoral norte do Rio). A segunda, de novo a 12 anos por tráfico, ocorreu logo após sua prisão em Minas. Além dessas duas condenações, Beira-Mar responde a outros processos em Duque de Caxias, um por tráfico na 1.ª Vara Criminal e o outro por homicídio na 4.ª Vara Criminal. Neste último, o traficante é acusado de comandar uma sessão de tortura e execução de Michel Anderson dos Santos, de 21 anos. Santos era amante da ex-mulher de Beira-Mar, Joelma de Oliveira, que também está desaparecida. ExtradiçãoAinda contra o traficante há suspeitas de tráfico internacional de armas, que seriam fornecidas às Farc em troca de cocaína. Por causa dessa acusação, até a Justiça americana pensou em pedir sua extradição. Em abril, Beira-Mar foi transferido de Brasília para o Rio (Complexo Penitenciário de Bangu). Preocupado com possível agitação no presídio, o governo do Rio tentou se livrar de Beira-Mar e mandá-lo para outro Estado, mas não conseguiu. No dia 11 de setembro, o traficante foi acusado de comandar uma rebelião que levou à morte de quatro presos.

Agencia Estado,

17 de novembro de 2002 | 10h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.