Beira-Mar pode mesmo voltar para São Paulo

O destino do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, pode ser mesmo a Superintendência da Polícia Federal em São Paulo. A decisão ainda não foi tomada pelo Ministério da Justiça, mas o assunto deve ser tratado novamente com o governo paulista, que resistiu à permanência do traficante no Estado após sua saída da penitenciária de segurança máxima de Presidente Bernardes.Beira-Mar está há quase um mês na Polícia Federal em Alagoas, mas deve ser transferido nos próximos dias. O governo ainda não definiu o novo endereço do traficante, depois que vários Estados se recusaram a recebê-lo, alegando a alta periculosidade de Beira-Mar.Integrantes do governo federal avaliam que a superintendência da PF em São Paulo foi reforçada depois de reforma feita nos últimos meses, o que reduziria os custos para a União do forte esquema de segurança existente hoje em Maceió. As estimativas são de que o governo federal terá gasto até o fim da permanência de Beira-Mar em Alagoas cerca de R$ 350 mil, valor jamais despendido com um preso brasileiro.No governo também se estuda a possibilidade de enviar o traficante para um presídio de segurança máxima no Espírito Santo, mas a idéia pode ser descartada porque parte dos negócios ilícitos do traficante ocorriam neste Estado.Veja o especial:

Agencia Estado,

23 de abril de 2003 | 19h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.