Beira-Mar quer saber de visitas íntimas em presídio federal

O comentário de um policial federal dá conta de que uma das primeiras perguntas do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, ao chegar ao Presídio Federal de Catanduvas, no Paraná, foi sobre a visita íntima. Esse é um dos poucos momentos durante uma visita em que não há qualquer agente vigiando. Pode ser o momento ideal para que alguma confidência seja feita. A cidade que na quarta-feira, 19, já não tinha mudado a rotina, nesta quinta não tem nenhum policiamento militar ostensivo.O primeiro em CatanduvasFernandinho Beira-Mar tornou-se o primeiro preso a ocupar uma das 208 celas da Penitenciária Federal de Catanduvas, primeiro presídio federal do País, inaugurado em 23 de junho, a cerca de 470 quilômetros de Curitiba, no oeste do Paraná. Beira-Mar chegou à penitenciária de segurança máxima por volta das 3 horas da madrugada de quarta-feira em uma transferência sigilosa.A transferência de Fernandinho Beira-Mar foi executada sob sigilo absoluto das autoridades de segurança. A tarefa foi executada pelo Comando de Operações Táticas da Polícia Federal, segundo o Depen (Departamento Penitenciário Nacional).Do aeroporto de Cascavel, os federais escoltaram o traficante em três blazers do Depen até a penitenciária federal de Catanduvas, que fica a 55 quilômetros de Cascavel. A viagem não teria demorado mais que 40 minutos.Para chegar a sua cela, Beira-Mar precisou passar por 17 portões de ferro. Já na entrada foi submetido à primeira identificação e aos procedimentos de segurança. Posteriormente, entrou na primeira "gaiola", onde já recebeu as orientações sobre o sistema da penitenciária. De porta em porta chegou à triagem, onde foi tirada a impressão digital e feitas as fotografias.Próximo dali, em armários, ficaram seus pertences. A partir desse estágio, foi conduzido com capuz na cabeça até a cela. Nela tem à disposição uma cama, uma pia e um vaso sanitário, tudo construído em concreto, com chapas de aço internas, mesmo material colocado nas paredes e no piso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.