Belo Horizonte tem 30 presos em atos contra Copa desde quinta-feira

Outros cinco peruanos foram presos suspeitos de aproveitar o jogo entre Colômbia e Grécia para  furtar ingressos 

Marcelo Portela, O Estado de São Paulo

15 de junho de 2014 | 15h30

BELO HORIZONTE – Um total de 30 pessoas já foram presas e cinco adolescentes apreendidos por delitos registrados nas manifestações contra a Copa do Mundo ocorridas em Belo Horizonte no sábado, 14, e na quinta-feira,12. Entre os presos, pelo menos três foram autuados em flagrante e estão detidos em unidades carcerárias da capital e uma estudante universitária teve a prisão preventiva decretada. Novo ato está marcado para  terça-feira, 17, quando o Brasil enfrentará o México em Fortaleza, no Ceará.

Apesar de o ato ocorrido no sábado não ter terminado em confronto por causa do forte aparato policial montado no centro da cidade, no ponto de concentração dos manifestantes, 12 pessoas foram presas e três menores, apreendidos. Segundo a Polícia Civil, Igor Daniel de Aguiar Borges, de 29 anos, foi encontrado com um coquetel molotov e uma máscara de gás, e Fernando Senhorinha Rinaldi, de 18 anos, foi flagrado com uma machadinha e uma chave usada para furtar veículos. Além deles, Karine Kênia Soares da Silva Melo, de 20 anos, também foi presa acusada de ser “cúmplice” de Rinaldi, que ainda deve responder a processo por incitação ao crime.

Outro inquérito resultou na decretação pela Justiça da prisão cautelar da universitária Patrícia Dantas Dias, de 25 anos, suspeita de ter ajudado a virar e incendiar uma viatura da Polícia Civil em frente ao Detran. Ainda de acordo com a polícia, o engenheiro Leandro Rios de Faria, de 28 anos, a enfermeira Kátia Santos Dias e o médico Bruno de Almeida, ambos de 27 anos, também foram presos acusados de participar do ato. Os outros presos nas manifestações foram encaminhados ao Juizado Especial Criminal e os menores, ao Juizado da Infância e da Juventude. Os casos são acompanhados pelo Ministério Público Estadual (MPE) e pela seção mineira do Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MG).

Assaltos. Nem tudo foi festa antes da vitória da Colômbia, por a 3 a, sobre a Grécia, neste sábado, 14, no Mineirão, em Belo Horizonte. Além do trabalho para conter a ação de alguns manifestantes, presos portando facas, soco-inglês e coquetel Molotov, a PM prendeu cinco peruanos suspeitos de aproveitarem a partida para furtar ingressos dos torcedores. 

 

Segundo a PM, os peruanos foram presos suspeitos de furtar ingressos para o jogo entre Colômbia e Grécia, no Mineirão. Três mulheres e dois homens foram localizados na avenida Antônio Abrahão Caram, próximo ao estádio, na região da Pampulha. De acordo com a capitão Geovana Silveira, responsável pela comunicação do Batalhão Copa, além dos ingressos, o grupo estava com um documento de identidade e um passaporte, que seria de uma das vítimas. 

 

Eles foram encaminhados para a delegacia da regional Noroeste da Polícia Civil. Conforme o boletim de ocorrência, quatro pessoas que estavam na avenida do Contorno, na altura do bairro Santa Efigênia, na região leste da capital, foram abordadas por assaltantes. Porém, a PM não confirma se os peruanos foram os autores do crime.   

 

Na Praça Sete, epicentro da capital mineira, 1.200 policiais esperavam por mais de 5.000 manifestantes, que confirmaram um protesto pelas redes sociais. Todos que passam pelas imediações do local foram revistados pelos PMs. A polícia apreendeu 14 pessoas, sendo que três estavam armados com  uma faca, um soco-inglês e um coquetel molotov. 

 

Um casal que portava máscaras ninjas, usadas pelo movimento Black Block, também foram conduzidos pelos policiais. "Estamos com mais de 1.000 homens na região e, se for necessário, teremos reforço", disse o tenente-coronel Alberto Luiz, da Polícia Militar de Minas Gerais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.