Beltrame diz que ele dispensou escolta policial

O secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, afirmou ontem que foi "um opção pessoal" do diretor de Bangu 3 dispensar escolta. Segundo Beltrame, havia veículos blindados à disposição do tenente-coronel, mas ele "não fez questão" de usá-los. Segundo o secretário, há duas linhas de investigação definidas. "O crime está relacionado com a função. Mas é importante manter as coisas em sigilo." O ministro da Justiça, Tarso Genro, classificou o assassinato como "uma ousadia dentro da barbárie". "Atacar uma autoridade e assassiná-la demonstra o grau de cinismo e violência a que chegou o crime organizado no Rio", declarou. "É crime típico de quadrilha organizada." O governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) disse que o crime foi "uma situação de covardia e de barbárie" e pediu "em vez de um minuto de silêncio, uma salva de palmas" para o tenente-coronel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.