Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Beltrame não descarta novos confrontos nos morros do Rio

Secretário de Segurança disse que invasão de traficantes rivais ocorreu de maneira diferente do costumeiro

Agência Estado,

18 de outubro de 2009 | 17h16

A invasão de traficantes ao Morro dos Macacos foi feita "aos poucos", diferentemente de outras ações do tipo, quando criminosos organizam "um bonde", composto por várias pessoas. "A população reporta que eles traficantes entraram de maneira dissimulada, aos poucos, a pé, de um em um ou de dois em dois, no máximo", informou o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, em entrevista concedida na tarde deste domingo, 18.

 

Veja também:

linkMais dois morrem em tiroteio na zona norte 

linkCerco da PM falhou, admite secretário

linkPolícia sabia de confronto, diz secretário

linkViolência é destaque na imprensa mundial

linkGoverno oferece ajuda da Força Nacional ao Rio

linkCabral vai manter 'enfrentamento'

 

Beltrame reconhece que novos confrontos entre traficantes pelo controle da venda de drogas podem se repetir no Rio. "Claro que a disputa entre traficantes pode acontecer novamente. Não se pode descartar, trabalhamos com todas as hipóteses. Isso historicamente aconteceu. Posso afirmar que a perda de território e o enfraquecimento de determinadas facções proporcionam isso", afirmou.

 

O secretário disse que o serviço de inteligência da polícia não consegue antecipar todas as investidas "desesperadas" do tráfico, embora "cerca de 80%" das ações criminosas sejam interceptadas. "Nós temos antecipado muito esse tipo de situação, mas dizer que isso não vai mais acontecer, que está descartada, não dá."

 

Beltrame também revelou que entre as armas suspeitas de derrubar o helicóptero da Polícia Militar estão um fuzil 7.62, uma metralhadora ponto 30 ou uma metralhadora ponto 50. A aeronave foi utilizada no patrulhamento da área em conflito e abatida pelos bandidos, deixando dois policiais mortos e quatro feridos. As vítimas foram enterradas esta tarde, no cemitério de Sulacap, zona norte.

 

 

Mais mortes

 

Durante este domingo, a polícia está em alerta com cerca de dois mil homens de prontidão. Desde sábado, realiza cercos e operações em áreas de influência do tráfico. Na favela do Jacarezinho, zona norte, foram apreendidos 300 quilos de maconha, duas pessoas foram mortas e quatro levadas presas. Em outras favelas, ao todo, foram apreendidos nove carregadores de pistolas, 24 carregadores de fuzis, uma granada e duas pistolas.

 

No Morro dos Macacos, alvo da disputa entre as facções, o clima ainda é de tensão. A comunidade está cercada pela PM e todos os veículos que entram ou saem são revistados. A corporação também utiliza cães na busca por mais corpos e armas. Os moradores continuam assustados, mas algumas famílias que estavam fora desde a madrugada de sábado, começam a retornar para suas casas.

 

No sábado, no Morro dos Macacos, zona norte, um helicóptero da Polícia Militar fez um pouso forçado depois de ser atingido por tiros. Doze pessoas morreram e pelo menos oito ônibus foram incendiados. As informações são da Agência Brasil.

Tudo o que sabemos sobre:
Rioviolênciatráficopolícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.