Benedita fará auditoria nos números da segurança no Rio

O secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, Roberto Aguiar, afirmou neste domingo que um grupo independente de pesquisadores ligados a universidades fluminenses vai refazer as estatísticas de violência do Estado e corrigir os eventuais erros cometidos pela equipe do ex-governador e pré-candidato do PSB à presidência, Anthony Garotinho. ?Não estou falando em má-fé porque não sou árbitro de ninguém, mas que os números estão errados, estão?, disse. ?O que prometemos é dar transparência às estatísticas e aprimorar a metodologia usada hoje.?A decisão de refazer os levantamentos foi tomada depois que um estudo feito pelo atual governo Benedita da Silva (PT) mostrou que as estatísticas de criminalidade do Rio apresentam falhas e que, nos últimos dois anos, houve subnotificação dos crimes. ?Vamos fazer um estudo que vai levantar os números de violência dos últimos cinco anos?, disse Aguiar. O secretário promete publicar os novos números em um mês.Garotinho reagiu e afirmou hoje ?que o PT está politizando" uma suposta maquiagem dos índices de criminalidade para prejudicar sua imagem. Segundo Garotinho, o novo chefe de Polícia Civil (Zaqueu Teixeira) tem ressentimento em relação ao ex-secretário de Segurança Pública Josias Quintal. ?Ele era delegado nas Ilha do Governador (zona norte) e foi afastado pelo coronel Josias por baixa produtividade?, disse Garotinho.Nesta segunda-feira, Benedita da Silva anuncia o plano emergencial de segurança do governo petista. Segundo o secretário de Segurança, o plano será focado em pelo menos 13 pontos. Aguiar não quis adiantar detalhes no projeto, mas disse que uma das metas é reduzir o número de mortes por balas perdidas. Outra medida será criar corredores de segurança, reforçando o policiamento em vias principais da cidade. Beira-MarO secretário de Segurança deverá marcar ainda esta semana um encontro com o ministro da Justiça, Miguel Reale Júnior, para pedir que o traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, deixe o Rio. Aguiar afirmou que a permanência do traficante na cidade ?torna complexo a aplicação do plano emergencial porque obriga a polícia a deslocar quadros para funções que não estavam previstas?.A direção do Departamento do Sistema Penitenciário (Desipe) estuda formas de isolar Fernandinho e evitar que o traficante consiga manter contato com o crime organizado, por telefone, de dentro da cadeia. O Desipe está estudando com a Anatel (agência que regula o sistema de telefônia no País) formas de cortar a comunicação dos celulares do presídio Bangu 1, onde está preso o traficante.Outras possibilidades são a instalação de câmeras de vídeo nas celas e o isolamento total do traficante, evitando até que ele tenha contato com outros presos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.