Beneficiários de penas alternativas ajudam a demolir casas em áreas de risco

Em troca do trabalho, os beneficiários terão redução da pena.; grupo é constituído por pessoas que cometeram crime sem violência e grave ameaça

Solange Spigliatti, do estadão.com.br

16 de abril de 2010 | 12h49

Cerca de 50 beneficiários de penas alternativas começaram a trabalhar nas demolições em áreas de risco do Rio nesta quinta-feira, 15, após acordo celebrado na quarta-feira, 14, entre a Prefeitura do Rio e o Tribunal de Justiça do Estado.

 

Veja também: 

link Rio: 253 mortos e 10.837 desabrigados

link MP cobra informações sobre aterro em Niterói

especial Especial mostra áreas afetadas pelas chuvas no Rio

mais imagens GALERIA - A devastação das águas, em imagens

 

O grupo, segundo a Prefeitura, começou a trabalhar no Morro do Urubu, em Pilares, e em outras frentes do programa de demolições de casas situadas em áreas de risco iminente, reforçando as equipes do Grupamento Operacional Especial da Secretaria de Conservação e Serviços Públicos.

 

Em troca do trabalho, os beneficiários terão redução da pena. O grupo recebe transporte e alimentação da Justiça, que controla a presença no trabalho por meio da assinatura de uma planilha a ser anexada ao processo de cada um.

 

As oito horas obrigatórias de trabalho social, uma vez por semana, serão abatidas em dobro no cumprimento da pena. O beneficiário de pena alternativa é a pessoa que cometeu crime sem violência e grave ameaça com pena de até quatro anos.

 

Segundo informou o Tribunal de Justiça, o apoio à Prefeitura será ampliado e o reforço crescerá de 50 para 300 beneficiários que, futuramente, estarão envolvidos com atividades, como a de reflorestamento e no atendimento em situações de emergência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.