Benefício não será automático

As gratificações de até 100% sobre um salário-referência de cerca de R$ 1.800 para PMs de batalhões da capital serão concedidas aos que participarem de operações especiais conjuntas com o município, informou a Prefeitura ontem. O projeto de lei do Executivo que cria o bônus foi protocolado anteontem à noite na Câmara. Único parlamentar que sabia do projeto por volta das 20h de anteontem, o líder do PSDB, Carlos Alberto Bezerra, chegou a dizer, em nome do governo, que a medida poderia beneficiar os 15 mil PMs de todos os batalhões de São Paulo, sem exceção. Ontem, ele se corrigiu. "Considerei que todos os batalhões estavam sujeitos às gratificações, como realmente estão. A única imprecisão foi avaliar que o benefício poderia ser estendido automaticamente. Como vimos no Diário Oficial de hoje, serão beneficiados os policiais que atuam em operações especiais em conjunto com o Município. O projeto chegou só à noite, não deu para analisar todo o conteúdo", disse. "De qualquer forma, os 15 mil PMs da cidade estarão, sim, sujeitos ao benefício, como disse na terça, dependendo da necessidade dos convênios." Procurada, a PM não se manifestou.A Prefeitura não divulgou se deve desencadear operação especial com a PM, e reafirmou que serão beneficiados, por exemplo, PMs que atuam em parceria com a CET na fiscalização do trânsito. D.Z.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.