Bicheiro dono de máquinas caça-níqueis é preso em Belém

A Polícia Federal do Pará apreendeu 507 máquinas de jogos eletrônicos e prendeu duas pessoas durante a operação Cassino 2, realizada em 17 pontos da capital paraense. Todas as máquinas caça-níqueis foram levadas para um depósito da PF, serão periciadas e depois destruídas, na próxima semana, segundo determinação da 3ª Vara Federal de Belém. Cerca de cem policiais do Pará, Maranhão e Amapá participaram da operação. Ano passado, a mesma ação apreendeu 589 máquinas na cidade.O banqueiro do jogo de bicho carioca Luiz Pacheco Drumond, filho de Luizinho Drumond, proprietário de centenas de bancas no Rio de Janeiro e também dono da maioria das máquinas caça-níqueis apreendidas durante a operação, foi preso pelos agentes da PF ainda na madrugada desta terça-feira. Armado com uma pistola 380, Drumond estava acompanhado de seu segurança particular, o ex-cabo da Polícia Militar do Pará Jânio Santana Ferreira, de 44 anos, reformado por problemas psiquiátricos. O bicheiro comandava pessoalmente uma operação de retirada às pressas das máquinas numa de suas casas de jogo quando foi flagrado pelos policiais.Ferreira, que também foi preso, portava uma pistola 9 milímetros e um revólver calibre 38. Ambos estão na carceragem da PF, onde foram autuados por porte ilegal de arma, cuja pena varia de um a três anos de prisão. O superintendente da PF no Estado, delegado José Sales, informou que a perícia a ser feita nas máquinas vai averiguar se os componentes montados nas máquinas foram importados de forma irregular. Os peritos também farão testes para saber se elas estão "viciadas" e programadas para fazer o jogador perder, garantindo grande margem de lucro para os donos dos jogos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.