Bienal registra déficit de R$ 2,9 mi em 2008

Conselhos fiscal e administrativo aprovaram balanço feito por auditoria

Camila Molina, O Estadao de S.Paulo

06 de maio de 2009 | 00h00

Os conselhos administrativo e fiscal da Fundação Bienal de São Paulo aprovaram ontem o balanço das contas da instituição do ano passado, que passou pela auditoria da Deloitte Touche&Tohmatsu. Pelo relatório, o déficit contábil foi de R$ 2,891 milhões. Segundo nota de esclarecimento anexada ao relatório de demonstrações financeiras, o déficit "poderia ter sido de apenas R$ 500 mil", mas foram acrescidos outros valores referentes, por exemplo, à reforma do telhado da Bienal, realizada em 1999, à provisão das contingências das pessoas jurídicas que prestam serviço regularmente à instituição e à receita de uma feira cancelada e paga.De acordo com o documento, esses termos tiveram de ser reconhecidos no exercício de 2008 pelo parecer da auditora contratada. Com a aprovação das contas, o próximo passo é a realização daqui a 15 dias de uma reunião geral do conselho para a eleição do novo presidente. O mandato de Manoel Francisco Pires da Costa, à frente da Bienal por três gestões consecutivas, desde 2002, terminou em 6 de fevereiro deste ano, pelo estatuto da instituição. Desde então, ele é diretor-presidente pro forme da Bienal. Por enquanto, o único candidato à vista é o empresário e colecionador Heitor Martins, ainda não oficial. Muitos candidatos vêm declinando do convite desde 2008. "Ele não deu resposta se vai se candidatar. Estamos aguardando", diz Miguel Alves Pereira, presidente do conselho administrativo. Segundo ele, se Martins ou outro candidato for eleito após a próxima reunião, terá de assumir o cargo imediatamente. Pereira também afirma que não entrou em nenhum momento em contato com a Curadoria de Fundações do Ministério Público Estadual para tratar dessa atual situação da Bienal. "Mas, se a instituição continuar acéfala, seremos obrigado a isso", diz.O presidente do conselho ainda afirma que a representação oficial brasileira na 53ª Bienal de Veneza, a ser realizada a partir de junho, vai ser financiada pelo Ministério da Cultura, por meio da Funarte. Desde a década de 1990, é função da Bienal de São Paulo promover a representação no pavilhão Brasil de Veneza. O orçamento deste ano é de R$ 350 mil para apresentar as obras de Luiz Braga e Delson Uchôa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.