Bilhete mais barato ajuda no crescimento de Congonhas

Apesar do número de pousos e decolagens no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo, não ter aumentado nos últimos quatro anos, o número de passageiros não pára de crescer. Em 2001, a Empresa de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) contabilizou 10,6 milhões de passageiros em Congonhas. Em 2006, eram 18 milhões.Segundo o superintendente da Regional Sudeste da Infraero, Edgar Brandão Júnior, os principais fatores são: a renovação da frota, que passou a ter aeronaves de maior capacidade, e o valor mais acessível das passagens. "Mesmo havendo demanda, não existe a capacidade de aumentar o número de operações e, por isso, a saída encontrada pelas empresas foi investir em aviões maiores."O diretor técnico do Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea), comandante Ronald Jenkins, recorda-se que há quatro anos o avião básico era o Boeing 737-200, com capacidade para 120 pessoas. Hoje, eles dividem espaço com modelos maiores como o 737- 800 e Airbus, que têm 150 lugares. "Foi a maneira de atender à demanda. Uma vez que o horário de funcionamento do aeroporto não poderia ser estendido."A obra de ampliação do terminal - que começou em 2003 e está prevista para terminar no fim de 2007 -, tem, por exemplo, 12 pontes de embarques e a conclusão do edifício garagem com vagas para 3.500 veículos. "Apesar de ter a garagem, o valor de estacionamento é alto. Então muita gente pára os carros nas ruas aqui perto", diz a professora Nadir Maria Teles Rodrigues que mora a duas quadras da ala de embarque. "Hoje qualquer um pode pegar um avião."Para a presidente da Associação de Moradores de Moema, Lígia Horta, a solução é redirecionar vôos para Cumbica e Viracopos, em Campinas. "Eles falam que não aumentou o número de operações, mas não tenho tanta certeza disso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.