Bilhete Único Especial

Fui atropelado e desde então sou portador de deficiência física irreversível. Para usar a carteira de isenção tarifária da SPTrans, fiz um escanograma e outros exames para comprovar o problema. Não me importo de ter de renovar a carteira após um ano, porque é uma maneira de saberem que estou vivo e de que ninguém usa o benefício no meu lugar. Entretanto, ao ter de refazer um exame que comprovou ser irreversível minha deficiência, sinto-me desrespeitado como contribuinte e cidadão. E, para realizá-lo, tenho de esperar três meses para marcar uma consulta no posto de saúde. RENATO MARIANOSão PauloA SPTrans informa que o sr. Mariano pediu o benefício em 5 de maio de 2008 na Subprefeitura da Sé, mas ele lhe foi negado porque não foi apresentado o exame complementar necessário (escanograma) e faltava a informação do uso de um aparelho fixador externo, uma exigência da legislação que rege o benefício. Em 13 de junho, o leitor apresentou um novo laudo e a documentação necessária. O cartão foi validado até junho de 2009. A SPTrans explica que a portaria que rege o benefício do Bilhete Único Especial tem como norma exigir a apresentação de exames e a renovação pode ser pedida até 30 dias antes do vencimento do cartão com todos os exames necessários. Aliado à análise dos laudos e à fiscalização feita por agentes de campo e via sistema, a SPTrans explica que age para fornecer o benefício para quem atende aos requisitos da legislação. Em 2008, de janeiro a novembro, a fiscalização apreendeu e cancelou 16.401 cartões que eram utilizados de forma indevida.Humilhada em seleçãoFui humilhada em entrevista seletiva para o curso de pós-graduação Certificate Marketing Management do Ibmec-São Paulo. Para a seleção são necessários diversos documentos, entre eles uma carta de recomendação preenchida pelo superior imediato do candidato. Levei tudo o que me foi solicitado. Para a minha surpresa (além do tom pejorativo pelas minhas experiências profissionais), o entrevistador, o sr. Bruno Sestokas Filho, iniciou um diálogo descabido: "Não foi seu chefe quem preencheu essa carta. Foi você quem preencheu ou alguma secretária?" E continuou: "Olha aqui, a assinatura é com uma caneta e o texto, com outra." Eu disse que estava sendo humilhada e liguei para meu chefe para que ele explicasse a situação. Nesse momento, o entrevistador pegou o telefone. E, após a humilhação, desconfiança, ofensa, o mesmo senhor falou de forma "indireta" que a conversa que tive (ou melhor, o que restou dela) teria alto peso no processo seletivo. Ou seja, depois de uma catástrofe dessas, o que mais eu posso esperar a não ser não passar? Tenho esperança de registrar essa revolta, de receber um pedido oficial de desculpas e de que esse senhor, que se diz professor, nunca mais trate alguém da maneira como me tratou.FABÍOLA MARINA SOARES DE MELOSão PauloO coordenador-geral dos Certificates do Ibmec São Paulo, Guy Cliquet do Amaral Filho, informa que tão logo o instituto tomou conhecimento do ocorrido na entrevista, entrou em contato com a candidata sra. Fabíola (na própria sexta-feira, 5/12). Foi realizada reunião esclarecendo o ocorrido e assegurado à candidata que os processos seletivos dos programas de pós-graduação do Ibmec consideram que todo candidato é merecedor de total e irrestrito respeito e confiança.A leitora responde: Realmente, após o incidente, o sr. Guy Cliquet conversou comigo sobre o ocorrido e na próxima semana receberei um pedido formal de desculpas.Luzes na cidadeFaltou espírito de Natal aos funcionários da Prefeitura ao amarrarem luzes nas árvores da Avenida 9 de Julho, entre as Ruas Holanda e Groenlândia. Eles danificaram mudas que o grupo dos caçadores de orquídeas amarra desde março nos canteiros da avenida. São plantas que iriam para o lixo e foram recicladas.ADRIANA IRIGOYENSão PauloA Prefeitura de São Paulo, por meio da São Paulo Turismo, informa ter notificado a empresa contratada, já que ela não cumpriu o que lhe foi estabelecido em contrato. A orientação dada aos colaboradores que trabalham na instalação de luzes é de não utilizarem, em nenhuma hipótese, pregos ou métodos que danifiquem plantas ou vegetação de seu entorno.A leitora responde: O quarteirão ficou sem luzes de Natal, mas com um enfeite muito melhor para o ar e o visual da cidade, as mudas de orquídeas, muitas delas com flores. Quem sabe se no próximo ano a Prefeitura não decide enfeitar a cidade com flores?As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.