Bilhete único não será estendido a estudantes

As três horas de intervalo do bilhete único não serão ampliadas para o bilhete de estudante e de trabalhador. Segundo o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), não há necessidade de novos privilégios. Ontem à tarde, ele andou de ônibus para testar a novidade."Neste momento o benefício é para a empresa, pois quem custeia o bilhete é ela", disse Kassab. O prefeito embarcou no ônibus 6500-10 no Terminal Santo Amaro, na zona sul, e desceu no Terminal Bandeira, no centro. O percurso não demorou mais do que uma hora.APROVAÇÃOOntem, a constatação era de economia entre os usuários do transporte público em São Paulo, no primeiro dia de validade das três horas de intervalo do bilhete único. Com uma hora a mais para pegar até quatro conduções, o paulistano assim economiza nas passagens."Levo de uma hora e 40 minutos a duas horas para ir da minha casa ao trabalho. Como espero o fim da viagem para passar (o bilhete), as três horas ajudam", contou o porteiro Antônio Írio Filho, de 52 anos.Írio conversou com o prefeito Kassab. Írio aprovou o aumento do tempo do bilhete. Morador de Parelheiros, na zona sul, ele trabalha no centro, próximo ao Terminal Bandeira, e pega dois ônibus.Para a negociadora Daniela Ferraz, de 26 anos, a ampliação era necessária. "Muita gente precisa de um tempo maior para pegar várias conduções", argumentou.Logo no primeiro dia da nova medida, o porteiro João Paulo da Silva aproveitou o tempo extra. "Pego de dois a três ônibus. Vou do Terminal Bandeira ao Capão Redondo em uma hora e meia, mas o benefício é bom para quem precisa fazer algo depois do trabalho."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.