Bilhete único sem crédito vale por mais uma semana

A São Paulo Transporte (SPTrans) decidiu adiar para o dia 18 a data em que não será mais permitido usar o bilhete único sem crédito. A partir de então, o passageiro que quiser fazer mais de uma viagem no período de duas horas precisará ter crédito no cartão, antes de embarcar. Hoje, é possível pagar em dinheiro os R$ 2,00 da tarifa e validar o bilhete na própria catraca dos veículos.Desde o dia 16 até as 17 horas de quinta-feira, pouco mais de 1 milhão de pessoas tinham feito o cadastro, no site da SPTrans (www.sptrans.com.br), nos 22 terminais de ônibus ou nos 16 postos da empresa. Entretanto, muita gente enfrentou problemas na página virtual - que não suportou a grande demanda por acessos - e filas. O site ficou fora do ar ontem na maior parte do dia - segundo a SPTrans, por causa do grande número de pessoas tentando acesso ao mesmo tempo. A empresa informou que quem tiver problemas deve acessar a página fora do horário comercial.A SPTrans informou que o cadastro não é obrigatório e será permanente, isto é, o passageiro poderá informar seus dados e os do seu bilhete em qualquer época. A única ressalva é que, enquanto não tiver um bilhete personalizado, terá de carregar o cartão antes de subir no ônibus para ter direito às viagens gratuitas.Existem cerca de 9 milhões de cartões em circulação. Entretanto, só quem usa o bilhete comum deve fazer o cadastro. Portadores de cartões de idosos, estudantes, deficientes físicos e de vales-transporte não precisam fazer o cadastro, pois já são registrados na SPTrans.O objetivo da Prefeitura ao exigir o cadastro do passageiro é coibir fraudes ao sistema. No futuro, só cartões personalizados serão aceitos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.