Bimotor cai e destrói casas em Manaus

Piloto, três passageiros e os 26 moradores dos imóveis atingidos pelo Seneca 2 nada sofreram; queda foi a 10 metros da pista do aeroporto

Liege Albuquerque, O Estadao de S.Paulo

24 de novembro de 2007 | 00h00

Um avião bimotor Sêneca 2 caiu nos fundos de uma faculdade, destruindo duas casas - e atingindo parcialmente outras quatro, por volta das 9h30 de ontem, no bairro União, na zona centro-oeste de Manaus. Nenhuma pessoa ficou ferida e o Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa-7) anunciou que vai investigar as causas do acidente. O piloto do avião, o paulista Marco Antonio Melchior Costa, de 42 anos - e 20 anos de vôo -, disse que viveu um milagre. "Quem vê como ficou o avião e as casas não acredita que todos saíram ilesos. No avião não houve pânico, mas chegamos a ouvir os gritos desesperados das pessoas que tiveram suas casas atingidas e da vizinhança que viu tudo", contou.Segundo ele, ao ligar o trem de pouso, três luzes vermelhas que deveriam acender no painel permaneceram apagadas. "Percebendo a avaria, tentei arremeter, mas naquele momento o motor esquerdo pifou e fomos caindo rápido em cima das casas, a segundos da cabeceira da pista."De acordo com o relato do proprietário da empresa de transportes aéreos Lassir, Pedro Teixeira, o bimotor caiu a menos de 10 metros da pista de pouso. O Sêneca, segundo o proprietário, tinha seguro obrigatório e ainda será avaliado se houve perda total. CASASDe acordo com a assessoria da Defesa Civil Municipal, os 26 moradores das seis casas atingidas devem ser encaminhados a abrigos municipais ou ficar em casas de parentes. O proprietário da empresa afirmou que um funcionário já teria feito contato com as famílias para providenciar indenizações - que o seguro obrigatório deverá cobrir."O barulho foi grande e não parecia que ia acontecer o milagre de ninguém se machucar. Eu vi o avião caindo rápido e, cada vez mais perto do chão, ele parecia maior", disse o pedreiro João de Deus Santana, de 46 anos, vizinho de uma das casas atingidas. Segundo ele, alguns moradores tinham saído cedo para o trabalho.O estudante Janderson Cardoso Ferreira, de 12 anos, estava no piso inferior de uma das casas atingidas, com a mãe, Vânia, e os dois irmãos. "Foi Deus que nos abençoou, porque meus irmãozinhos Brian (de 8 anos) e Jordan (de 3), tinham acabado de acordar e descer para tomar café quando o avião caiu e a asa dele levou todo o andar de cima."As casas estão todas isoladas. A família de Janderson deverá ficar na casa de um vizinho. O garoto disse ter esperança de encontrar seu cofrinho, que estava no piso superior, que foi destruído pelo avião. O piso superior era de madeira e o inferior, de tijolo aparente, não foi derrubado pelo impacto. "Os bombeiros isolaram nossa casa, mas queria pelo menos pegar o cofrinho onde eu fazia uma poupança para comprar o presente de Natal de minha mãe", contou. Segundo o dono da empresa de transportes aéreos, Pedro Teixeira, o bimotor havia feito uma viagem para o interior do Estado e deixado quatro passageiros no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes. Ali, embarcaram três funcionários da empresa, com outro piloto, Marco Antonia. Ele levaria a aeronave até o Aeroclube de Manaus, que fica a menos de cinco minutos de vôo do aeroporto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.