Bin Laden teria vindo ao Brasil em 1995, segundo revista Veja

O líder da organização terrorista Al-Qaeda, o saudita Osama bin Laden, passou três dias em Foz do Iguaçu, em 1995, e reuniu-se com membros da comunidade árabe numa mesquita da cidade, segundo reportagem publicada na edição desta semana da revista Veja.O artigo cita como fontes um alto funcionário da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), que deu detalhes sobre as investigações dos agentes federais sob a condição de manter-se no anonimato.Agentes federais brasileiros têm investigado asconexões de grupos terroristas com membros da comunidade muçulmana na chamada Tríplice Fronteira (Brasil, Paraguai eArgentina), principalmente a partir de 1994, quando um atentado à bomba contra uma entidade judaica em Buenos Aires matou 96pessoas.Na região, há uma grande população muçulmana e háevidências de que o ataque na Argentina foi planejada por militantes extremistas islâmicos. Bin Laden teria entrado no Brasil vindo clandestinamente da Argentina, numa época em queainda não era conhecido mundialmente como líder terrorista.Na mesquita sunita, o líder da Al-Qaeda falou sobre sua experiência na Guerra do Afeganistão quando lutava contra a ocupação soviética, nos anos 80. Essa palestra foi gravada emvídeo por um muçulmano egípcio procurado em seu país por participação em atentados à bomba, mas que era informante da Abin em Foz de Iguaçu e não teria conhecimento da ligação de Bin Laden com o terrorismo.Depois dos atentados de agosto de 1998 contra duasembaixadas dos EUA na África - nos quais morreram mais de 200 pessoas e centenas ficaram feridas -, a CIA (Agência Central de Inteligência) pediu ao serviço secreto brasileiro informaçõessobre o terrorista kuwaitiano Khalid Sheik Mohammed - o terceiro homem na hierarquia da Al-Qaeda, preso há três semanas no Paquistão.Foi nessa ocasião que o informante - relata Veja - disse aos agentes que Bin Laden estivera no Brasil e havia atéum vídeo comprovando isso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.