Bingos desafiam Prefeitura e reabrem

Em janeiro, 190 casas estavam fechadas em SP; agora, jogos foram retomados em grandes avenidas e shopping

Renato Machado e Rodrigo Pereira, O Estadao de S.Paulo

19 de novembro de 2008 | 00h00

Mesmo com o esforço da Prefeitura de São Paulo para manter bingos fechados, casas de jogos voltaram a se proliferar pela capital. Desde o início da semana passada, a Secretaria de Coordenação das Subprefeituras realiza uma operação com o Grupo de Operações Especiais (GOE), da Polícia Civil, para fiscalizar e lacrar estabelecimentos sem licença de funcionamento. Oito foram fechados. No entanto, pelo menos seis ainda funcionavam ontem em grandes avenidas - há seis meses eram dois, considerando apenas os estabelecimentos com portas abertas ao grande público. Em janeiro, todos os 190 estabelecimentos com jogos estavam fechados. E a multiplicação de bingos ocorre também na Grande São Paulo.Em junho, o Estado mostrou que a Prefeitura havia começado a perder a briga. Alguns bingos aproveitaram uma brecha na legislação para reabrirem as portas. Os primeiros beneficiados na capital foram o Teotônio Vilela e o Interbingo, na zona sul - que funciona em um shopping e, com base em sentenças judiciais, venceu as duas tentativas da Subprefeitura de Santo Amaro de lacrá-lo. Anteriormente, três casas funcionavam na Região Metropolitana. Elas se aproveitavam de uma decisão judicial transitada em julgado - que não pode ser revertida - em favor da Liga Regional Desportiva Paulista, uma associação de futebol amador de Campinas, no interior paulista. Com a certeza de funcionamento, bingos iniciaram uma corrida para se filiarem à entidade. Agora são pelo menos 13 bingos em funcionamento - seis na capital, três em Santo André, três em São Caetano, onde uma quarta casa ainda anuncia o "retorno" para amanhã, e um em Guarulhos. A maior parte desses bingos usa o mesmo artifício de seis meses atrás e prega em suas portas a decisão judicial da Liga. Os advogados da entidade foram procurados, mas não quiseram comentar.Para a Prefeitura, essa decisão não vale, uma vez que a cidade de São Paulo não é citada. Além disso, o Decreto Municipal 47.415 proibiu a emissão de alvarás para bingos. "Se estão abertos, é porque não temos notícia, pois iremos atrás assim que recebermos a denúncia e serão fechados", disse o secretário de Negócios Jurídicos, Ricardo Dias Leme.Alguns estabelecimentos também se aproveitaram da situação para reabrirem, mesmo sem decisões judiciais. "Nós fechamos um hoje (ontem) em Ermelino Matarazzo que usava portas subterrâneas para não ser notado", disse o secretário da Coordenação das Subprefeituras, Andrea Matarazzo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.