Bispos da Renascer conseguem relaxar fiança nos EUA

Os fundadores da Igreja Renascer, o casal Sonia e Estevam Hernandes, fecharam acordo nesta quarta-feira com a Justiça norte-americana para relaxar as condições da fiança exigida dos brasileiros. A fiança, que era de US$ 250 mil em uma garantia imobiliária e 15% a 17% disso em dinheiro, passou a ser de US$ 100 mil. Contudo, o casal terá de continuar no programa de supervisão intensiva do departamento de Imigração, com uso de algemas eletrônicas e prisão domiciliar. O valor de US$ 100 mil foi o que a Justiça dos Estados Unidos havia estabelecido no início, assim que o casal foi preso, em 9 de janeiro, e levados a prisões federais. Posteriormente, alertada pela Justiça brasileira sobre investigações de evasão fiscal e lavagem de dinheiro no Brasil, a Justiça elevou a fiança para US$ 250 mil em uma garantia imobiliária em dinheiro. Sonia e Hernandes continuam proibidos de deixar sua residência, a não ser para ir ao médico ou ao tribunal. O casal também terá de continuar a usar as algemas eletrônicas, pagas por eles mesmos.Prisão nos EUANo momento da prisão, o casal foi pego pelo FBI com US$ 56 mil não declarados. Estevam assumiu a culpa, por tentar entrar no país com o dinheiro. No Brasil, a prisão do casal Hernandes foi decretada na quarta-feira pela 1ª Vara Criminal de São Paulo, a pedido do Ministério Público estadual. O casal responde processo por lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e estelionato. O caso corre em segredo de Justiça e um pedido de extradição deve ser entregue nesta quinta-feira ao Superior Tribunal Federal (STF).O pedido de prisão foi feito pelos promotores do Gaeco justamente pelo fato de o casal tentar entrar nos EUA com os 56 mil dólares não declarados. Ao chegar à Flórida, o casal declarou na alfândega que levava US$ 10 mil, limite permitido pela lei americana - mas na verdade transportava US$ 56 mil. Durante revista na bagagem, os policiais encontraram notas espalhadas por bolsos, fundos falsos e US$ 9 mil escondidos dentro de uma Bíblia.O advogado de defesa do casal, Luiz Flábio Borges D´Urso, também presidente da OAB paulista, não foi encontrado para comentar o assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.