'Blindada', Dilma faz campanha na rodoviária

Petista chegou pelos fundos e organização de sua campanha pôs grades na calçada, formando um corredor para isolá-la da imprensa e até de militantes

Carol Pires / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2010 | 00h00

Candidata de primeira viagem, a presidenciável petista Dilma Rousseff adotou um estilo de campanha na rua com características próprias de eventos presidenciais. A visita da petista, ontem, à rodoviária de Brasília, não teve corpo a corpo com o eleitor, com os típicos abraços em crianças e parada para comer um pastel de feira.

Além do cercadinho que a afasta da imprensa (comum desde o início da campanha), Dilma criou ontem o cercadinho para tomar café. Na rodoviária, por onde passam por dia cerca de 800 mil pessoas, ela preferiu chegar pelos fundos e não circular pelo local. A organização da campanha pôs grades na calçada, formando um corredor entre a porta do carro de Dilma e o balcão da lanchonete.

Dos cerca de 500 manifestantes aglomerados no local, só conseguiu se aproximar dela quem ficou espremido na linha de frente. Dos 20 minutos em que ficou no local, a petista passou metade do tempo falando com a imprensa - também afastada por uma grade de isolamento.

Pão de queijo. Na lanchonete ela tomou café e comeu dois pães de queijo, acompanhada apenas dos candidatos da coligação petista. A conta saiu de graça, cortesia dos funcionários. A petista passaria ainda por outros dois outros estabelecimentos, mas a campanha ficou preocupada com a segurança da candidata e descartou a visita.

A cena de isolamento da imprensa e da militância não foi restrita a Brasília. Desde o início da corrida eleitoral, os repórteres precisam fazer credenciamento até para os comícios, realizados em lugares públicos.

No domingo, na Feira dos Nordestinos, no Rio, Dilma circulou protegida por um cordão de pessoas da campanha. Até o secretário-geral do PT, José Eduardo Dutra, barrado por um dos seguranças, precisou forçar a entrada para chegar perto dela. Houve empurra-empurra, cadeiras foram ao chão, e a candidata desistiu de almoçar no local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.