Blitz causa mal-estar na Câmara e estimula CPI

Membros do Centrão cobrarão do prefeito que adote o mesmo rigor com outros empreendimentos

Alexssander Soares, O Estadao de S.Paulo

15 de novembro de 2007 | 00h00

A interdição do Shopping Pari, centro de compras popular construído pelo empresário Law Kin Chong, provocou mal-estar no relacionamento político do prefeito Gilberto Kassab (DEM) com o chamado Centrão, grupo de vereadores independentes que controla a Mesa Diretora da Câmara. Os vereadores Adilson Amadeu (PTB) e Aurélio Miguel (PR) pretendem colocar na pauta de discussão uma CPI para apurar irregularidades na abertura de empreendimentos sem a aprovação dos processos de pólos geradores de tráfego.Um dos motivos para a interdição do shopping de Law foi o descumprimento das contrapartidas exigidas pela CET. Os vereadores querem investigar outros shoppings em funcionamento que também não teriam respeitado essa determinação. É o caso do Shopping Metrô Itaquera, inaugurado na semana passada. Ele funciona sem o Habite-se. A assessoria do Itaquera diz que o empreendimento chegou a ter o documento, mas depois a autorização foi revogada pela Prefeitura. "Quero que o prefeito tenha a mesma atitude em todos os empreendimentos da cidade. Sou a favor da legalidade, mas considerei lamentável a atitude do Kassab no centro de compras do Law", disse Amadeu. Alguns vereadores dizem que ele vinha negociando com a Subprefeitura da Mooca a instalação de camelôs da região no Shopping Pari. Os parlamentares observam que os técnicos da CET não têm prazo definido por lei para concluir projetos de pólo gerador. "Demora, em média, de seis meses a um ano. Temos informações de que há 150 em tramitação, sem pessoal suficiente para análise", disse Antonio Donato (PT). Um projeto de lei, aprovado em primeira votação, obriga a CET a concluir em 60 dias o processo. A assessoria da companhia informou que um convênio foi firmado em outubro com o Sindicato da Habitação (Secovi) e a Associação Imobiliária Brasileira (AIB) para receber equipamentos e acelerar processos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.