Blitz da inspeção multa 1 em cada 7 e apreende veículos

Na primeira semana de fiscalização, que envolveu placas de final 1 a 4, houve 18 autuações pela PM

Fábio Mazzitelli, O Estadao de S.Paulo

29 Agosto 2009 | 00h00

A enfermeira aposentada Márcia Rovella, de 57 anos, saiu do carro surpresa com o pedido que ouviu, ao parar em uma blitz da PM na Rua Itápolis, no Pacaembu, zona oeste de São Paulo, ontem de manhã. Acompanhada de um PM, uma fiscal da Prefeitura perguntou educadamente: "A senhora está com os comprovantes da inspeção veicular ambiental?" A pergunta foi repetida 118 vezes desde segunda-feira, data em que começou a fiscalização de rua do programa de inspeção pela Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. No balanço da semana, 18 proprietários de veículos foram multados em R$ 550. Desse grupo, uma moto e cinco carros acabaram guinchados. O Toyota Corolla da aposentada, ano 2008, foi um deles."Ponho gasolina, vejo a água e levo para a concessionária. Mas toda a parte de documentação é o meu filho que faz. Não tinha prestado atenção e não esperava (a fiscalização)", afirmou Márcia, obrigada a deixar o local de táxi. O início da fiscalização ocorre mais de seis meses depois do começo, em fevereiro, das inspeções para carros e motos. Organizada a pedido da Secretaria do Verde, a blitz da PM teve como foco os veículos com placas de finais de 1 a 4, cujo prazo para a inspeção ambiental terminou em julho.As 18 multas desta semana foram as primeiras do programa. "Ninguém fica feliz por multar as pessoas e apreender o carro. Mas fico satisfeito pelo grande porcentual de carros regulares que foram encontrados (na fiscalização)", afirmou o secretário do Verde e do Meio Ambiente, Eduardo Jorge. Jorge considerou o porcentual de autuações, de 15,25% um sinal de que a adesão dos motoristas à inspeção está crescendo. E acredita estar iniciando a fiscalização do programa "na hora certa". Os motoristas que fizeram a inspeção devem carregar, além do selo colado ao vidro, o boletim do teste.PREJUÍZOPara os motoristas autuados, o prejuízo não vai ser pequeno. Quem não realiza a inspeção ambiental tem de arcar com multa de R$ 550, valor que pode ser duplicado se o carro não estiver licenciado. Nesse caso, o proprietário será autuado em mais R$ 191,54, levará para casa sete pontos na carteira de motorista e terá o carro guinchado para um pátio da CET, que cobra R$ 375 para remoção do veículo e R$ 125 para guinchar motocicletas. Somando-se a esses valores as diárias pela estada em um pátio, o prejuízo total de ser flagrado em uma blitz da inspeção ambiental chega a cerca de R$ 900 para motos e a mais de R$ 1.200 para automóveis, considerando um período de quatro dias no pátio.E há mais: segundo o tenente Rui Feitosa, do 34º Batalhão, o Detran terá de dar aval para liberar o veículo do pátio. O proprietário precisará obter um "memorando de liberação do veículo". Com esse documento e as taxas pagas, o motorista vai ao pátio e pega o veículo para a inspeção ambiental. Mas não poderá circular com o carro até que o veículo esteja totalmente regularizado. Ou seja, terá de voltar ao Detran para consumar o licenciamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.