Blitz de fiscais causa confusão em bares de São Paulo

A prefeitura de São Paulo endossou neste sábado a ação de fiscalização da subprefeitura da Sé e da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), feita na noite de sexta-feira, que causou uma grande confusão na praça Vilaboim, em Higienópolis, bairro nobre da zona oeste. Segundo clientes e comerciantes, pelo menos 30 fiscais com coletes amarelos chegaram e começaram a retirar as pessoas à força das mesas, quebrando pratos e puxando violentamente as cadeiras. O arquiteto Renê Gugliemetti, que estava numa pizzaria, levou uma cotovelada de um fiscal e o segurança Edivaldo Palma Santos teve de intervir na confusão para evitar que um garçom fosse agredido em bar.A assessoria da subprefeitura disse hoje que se houve a retirada de mesas na calçada é porque elas estavam em situação irregular. No entanto, disse que vai apurar se houve agressão física ou verbal dos fiscais e excessos serão punidos. Contudo, a operação de ontem era contra os manobristas de carros nas portas de bares e restaurantes. O pedido foi da CPI dos Valets, da Câmara Municipal, mas não havia vereador presente durante o episódio.TorcidaEm um primeiro momento, o segurança de um bar chegou a pensar que se tratava de uma ação de bandidos. Pratos, guardanapos e cinzeiros ficaram jogados no chão depois da ação dos fiscais. As mesas e cadeiras foram levadas nos caminhões. Segundo Bugliemetti, a ação lembrava comemorações de torcidas de futebol. ?Parecia a Gaviões da Fiel (torcida do Corinthians). Eles gritavam, puxavam as pessoas com tudo das mesas e depois faziam gestos obscenos de cima dos caminhões, como se estivessem se divertindo.? Ele disse ainda que o responsável pela operação "não mudou nada na brutalidade da ação?.Alguns carros estacionados na praça foram guinchados pela CET. Para a assessoria da subprefeitura, como a fiscalização chegou ao local e encontrou várias mesas na calçada em situação irregular e donos dos estabelecimentos começaram a denunciar os concorrentes para não ficarem sozinhos no prejuízo. A legislação prevê que os bares podem montar mesas na calçada desde que deixem uma área de 1,10 metro livre para a circulação de pedestres e paguem uma taxa à Prefeitura. A Subprefeitura da Sé afirmou que vai apurar se houve agressão física ou verbal dos fiscais e excessos serão punidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.